Açúcar ou adoçante? Eis a questão!

 

O Carnaval acabou e é hora de retomar a rotina e dar inicio a famosa “DIETA”. E nesta época, é comum ouvir aquela frase clássica: “Preciso emagrecer, vou trocar o açúcar pelo adoçante”.

O fato é que, nem sempre esta é a melhor opção. Pessoas saudáveis não necessariamente precisam fazer essa substituição, pois o uso de adoçante é indicado primeiramente para diabéticos e não para população em geral.

Atualmente, podemos encontrar diversos tipos de adoçantes como: a sacarina, o ciclamato, o aspartame, sacarose, stévia entre outros, e com tantas opções, como é possível escolher o melhor?

O mais indicado, seria o adoçante de Esteviosídeo mais conhecido como Stévia, pois, além de ser natural por ser extraído de uma planta ainda possui um sabor muito próximo ao do açúcar.

Nas prateleiras dos supermercados, encontramos também uma grande variedade de açúcar: mascavo, demerara, cristal, orgânico, açúcar de coco e aquele famoso açúcar refinado bem branquinho presente na maioria das mesas brasileiras.

No caso do açúcar, é interessante tentar não adicioná-lo às bebidas e frutas. O ideal é tentar sentir o gosto verdadeiro dos alimentos sem a adição do mesmo, independente do tipo escolhido.

Como muitas pessoas já possuem um paladar bem doce e tem dificuldade de degustar os alimentos sem adicioná-lo, a recomendação é que o individuo vá reduzindo gradativamente a quantidade deste açúcar de adição e escolha opções mais saudáveis como o açúcar mascavo ou o açúcar de coco que não passam pelo processo de refinamento, mantendo suas propriedades nutricionais.

É importante salientar que, tanto o excesso de açúcar quanto do adoçante é prejudicial à saúde. Não somente quando os adicionamos nas preparações, mas também quando consumimos diversos produtos industrializados nos quais eles estão presentes.

Muitas vezes, o aumento de peso se deve mais ao consumo exagerado de produtos industrializados como biscoitos, sorvetes, chocolates, refrigerantes (inclusive os zero açúcar), do que àquele açúcar adicionado no cafezinho pela manhã.

Sendo assim, é necessária uma avaliação geral dos hábitos alimentares, pois substituir apenas um produto pelo outro nem sempre é a melhor saída.

Ana Beatriz Nicoletti é Nutricionista e escreve semanalmente para o Acontece