Você conhece as PANCS?

 

A sigla PANCS refere-se ao que chamamos de Plantas alimentícias não convencionais. Geralmente tratadas como “mato”, são folhas, verduras, frutos e raízes encontradas em lugares comuns como jardins, hortas, fazendas e muitas vezes até no quintal da nossa casa.

Por falta de conhecimento, as classificamos de “inços” ou “plantas daninhas”, pois aparecem em locais onde não foram cultivadas. Entretanto, muitas dessas plantas são comestíveis e apresentam índices nutricionais iguais ou superiores às hortaliças e raízes que estamos habituadas a comer.

No Brasil, estima-se que haja pelo menos 3 mil espécies de plantas alimentícias não convencionais e que 10% da nossa flora nativa possa ser constituída de plantas comestíveis.

Mesmo não sendo tão conhecidas, as PANCS podem ser consideradas alimentos funcionais, pois são ricas em vitaminas essenciais, antioxidantes, fibras, sais minerais, que nem sempre são encontradas em outros alimentos.

Seguem alguns exemplos de PANCS facilmente encontradas:

Ora-pro-nóbis

Muitas vezes utilizado com cerca viva, as folhas possuem cerca de 25% de proteínas, das quais 85% acham-se numa forma digestível, facilmente aproveitável pelo organismo e muito indicada para dietas vegetarianas. Possui ainda vitaminas A, B e principalmente C, além de cálcio, fósforo e quantidade considerável de ferro, ajudando no combate a anemias.

Suas folhas podem ser usadas em saladas, refogados, sopas, omeletes ou tortas, além de enriquecer pães, bolos, massas. Os frutos podem ser usados para sucos, geleias, mousse e licor e as flores jovens podem ser usadas em saladas, salteadas puras ou em carnes.

Beldroega

A beldroega costuma ser retirada das hortas por ser considerada uma erva daninha que se espalha pelo terreno. Porém, planta é rica em ômega 3 e tem uma grande capacidade antioxidante por possuir boa quantidade de betacaroteno e vitamina C.

Pode ser consumida crua em saladas ou cozida em diversos pratos. As sementes podem ser utilizadas em pães substituindo a chia e o gergelim. Sementes germinadas (brotos) são indicados para saladas e decoração comestível.

Capuchinha

É uma planta rica em vitamina C, antocianina, carotenoides e flavonoides. O suco é expectorante. As folhas facilitam a digestão e são consideradas calmantes naturais.

Toda a planta pode ser utilizada. Com sabor picante semelhante ao agrião, as  flores e folhas podem ser consumidas em forma de saladas, patês, pães, em sopas, refogados. Seus frutos podem ser preparados como alcaparra (em forma de conserva).  Suas sementes maduras podem ser tostadas e moídas, substituindo a pimenta-do-reino.

Dente de leão

Rica em vitaminas A, B e C além de ferro e potássio. As raízes são popularmente usadas como diuréticas e contêm inulina. Folhas com propriedades depurativas.

Dela podem ser aproveitadas as folhas e raízes, que podem ser consumidas cruas ou refogadas. As flores podem ser usadas em saladas e na confecção de geleias.

Um dos principais argumentos para valorizar o mato que brota ao nosso redor é tirar proveito daquilo que a natureza oferta, pois quanto mais silvestre é a espécie, menos agrotóxicos ela terá e consequentemente vai absorver melhor o os nutrientes do solo.

Mas é importante frisar que, antes de sair catando folhas pela rua ou pelo jardim de casa, o ideal é se informar bastante sobre elas, uma vez que há risco de confusão com variedades similares e intoxicação. A taioba brava, por exemplo, parece com a taioba que substitui a couve, mas é tóxica. Além disso, muitas PANCS ainda não têm seus efeitos totalmente elucidados pela ciência. Fique atento!