Você conhece o Dry Needling, ou agulhamento a seco?

Com a rotina e estresses do dia a dia, as más posturas adotadas em casa ou no trabalho e a falta de atividade física, conseguimos perceber as mudanças e as dores em nosso corpo.

Todos esses fatores podem desenvolver vários distúrbios musculares locais, como torcicolos, síndrome miofascial, cervicalgias, dorsalgias, lombalgias, ciatalgias, dores articulares e também “trigger points” ou Pontos gatilhos.

Os Pontos Gatilhos são nódulos musculares deixando um ponto sensível em um musculo tenso. Quando a gente aperta esse ponto provoca uma resposta local de dor que irradia para áreas específicas em cada músculo, um sintoma bem característico dos Trigger Points.

Isso pode estar associado à disfunção e fraqueza muscular e a uma limitada amplitude de movimento. Os pontos problemáticos podem surgir em qualquer musculo do corpo, mas geralmente os mais afetados são os músculos posturais.

O Dry Needling ou Agulhamento a Seco é ainda um método pouco conhecido no Brasil. É uma técnica invasiva e indolor, que utiliza agulhas sem medicação em pontos específicos no tratamento da dor miofascial, e um recurso da fisioterapia de estimulação mecânica que age nesse ponto de “desfazer” os nódulos.

A aplicação da agulha causa microlesões na musculatura, é enviado ao sistema nervoso central o estimulo de cicatrização, que envia sangue ao local da aplicação automaticamente, melhorando a circulação e relaxando a musculatura.

A vantagem do Dry Needling sobre a liberação manual é que é uma aplicação muito específica, ou seja, a agulha  é inserida diretamente no ponto gatilho ativo, reduzindo a dor e facilitando a normalização das funções do músculo.

Essa técnica vem mostrando muitos resultados benéficos para os pacientes,  tanto com dores agudas como crônicas, o que auxilia na recuperação e retorno as atividades.

É sempre importante lembrar de realizar esse método com um profissional capacitado, que faça uma avaliação especifica para saber qual técnica deve ser aplicada para cada caso e cada indivíduo.

Gabriel Baldini – Fisioterapeuta ESPAÇO ELO