Relatório de Comissão complica situação de ex-prefeito Ielo

A Comissão de Orçamento, Finanças e Contabilidade da Câmara Municipal de Botucatu concluiu nesta terça-feira (14) a análise sobre o Parecer do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP) referente ao exercício de 2007 do ex-prefeito Mário Ielo (PT).

De acordo com o presidente da Comissão, vereador Reinaldinho (PR), a maioria dos membros decidiu opinar favoravelmente ao Parecer. Por divergências, o vereador Lelo Pagani (PT) irá entregar um relatório separado dos demais.

Desde que o Parecer do Tribunal de Contas foi protocolado na Casa, em 25 de abril, a Comissão de Orçamento, Finanças e Contabilidade já realizou vários encontros e deferiu diversos pedidos formulados do ex-chefe do Executivo Municipal, de modo que o direito ? ampla defesa fosse garantido.

Conforme Reinaldinho, com os trabalhos da Comissão já concluídos, cabe ao presidente da Câmara Municipal de Botucatu, vereador Curumim (PSDB), dar andamento ao processo e levar o Parecer do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo sobre as contas referentes ao exercício de 2007 da gestão do ex-prefeito Mário Ielo e o relatório da Comissão de Orçamento, Finanças e Contabilidade ? apreciação do Plenário.

Além do presidente, vereador Reinaldinho (PR), fazem parte da Comissão os vereadores Dr. Bittar (PCdoB) e Lelo Pagani (PT), relator e membro, respectivamente.

O relatório entra na pauta de votação na sessão ordinária da próxima segunda-feira (20) e para ser recusado deverá ter o voto de 2/3 dos vereadores, ou seja, o ex-prefeito terá que conseguir 8 dos 11 votos possíveis.

E a situação de Ielo na Câmara não é nada confortável. Conta com o apoio dos três vereadores do PT (Carlos Trigo, Professor Gamito e Lelo Pagani) e busca os votos de Abelardo (PV) e Professor Nenê (PSB), que somariam cinco votos. Os três votos necessários para derrubar o parecer do TCE teriam que vir da ala situacionista, formada por três vereadores do PSDB (Curumim, Fontão e Xê), além de Reinaldinho (PR), Bombeiros Tavares (DEM) e Dr. Bittar (PCdoB).

Se confirmada a aprovação do relatório da Comissão pela maioria de votos dos parlamentares, o caso irá ser encaminhado ao Ministério Público, onde o ex-prefeito terá mais uma oportunidade de se defender e tentar derrubar o parecer do TCE.