Reativação de trem de passageiros pode evitar pedágio

É, no mínimo, interessante a sugestão apresentada pelo vereador Fontão (PSDB) através de um requerimento aprovado pela unanimidade dos vereadores da Câmara Municipal, esta semana. O parlamentar reivindica a reativação do trem de passageiros entre Botucatu e São Manuel, passando pelo Distrito de Rubião Júnior.

Em sua justificativa o parlamentar ressalta que a instalação de uma praça de pedágio no km 261,12 da Rodovia Marechal Rondon, principal corredor de acesso entre as cidades de Botucatu e São Manuel, prejudicou um grande número de pessoas que se deslocam, regularmente, entre os dois municípios, por motivo de trabalho, consulta médica, consumo no comércio, entre outros.

“Entendo que o trem é um meio de transporte alternativo, seguro, confiável e barato e já existe a malha ferroviária que liga as duas cidades, incluindo o Distrito de Rubião Junior. Com o trem em circulação muitas pessoas poderiam evitar passar pela praça do pedágio e fazer economia considerável todos os meses”, frisa Fontão.

A propositura aprovada já foi encaminhada aos prefeitos das duas cidades envolvidas para que seja estudada essa proposta do vereador tucano e agendada uma reunião com a empresa América Latina Logística (ALL) que é detentora dos direitos de uso da malha ferroviária. “Acho perfeitamente viável, pois já existe o interesse do Executivo de Botucatu em efetuar a revitalização da antiga estação ferroviária”, finaliza o autor da propositura.

{n}Projeto estadual{/n}

Ainda sobre a malha ferroviária, vale lembrar que no primeiro semestre do ano passado o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, através da Secretaria Estadual dos Negócios dos Transportes Metropolitanos, revelou que pretende viabilizar o transporte de passageiros, além da região metropolitana da capital paulista, incluindo várias cidades do interior.

Não é segredo para ninguém, que o transporte ferroviário interestadual de passageiros teve grande importância no País. No trajeto de São Paulo a Presidente Epitácio, Botucatu era uma cidade fundamental no processo do transporte ferroviário, com a EFS – Estrada de Ferro Sorocabana e, posteriormente, Fepasa – Ferrovia Paulista Sociedade Anônima e Ferroban – Ferrovia Bandeirantes. Hoje quem explora a malha ferroviária é a ALL – América Latina Logística, empresa que controla hoje a Novoeste, Ferroban e Ferronorte e só trabalha transportando cargas.

O antigo pátio de manobras da Fepasa de Botucatu, que funcionava ao lado da estação ferroviária, transformou-se em um verdadeiro cemitério de vagões de trens, que foram “depenados” e muitas carcaças ainda se encontram no local se deteriorando com o tempo.