Presidente da Câmara recebe vista do superintendente da Sabesp

Na manhã desta quinta-feira (6), o novo presidente da Câmara Municipal de Botucatu, vereador Curumim (PSDB), recebeu a visita do superintendente regional da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo, Layre Colino Júnior.

De acordo com Curumim, foi um encontro informal e serviu para que as instituições discutissem as principais necessidades de Botucatu para os próximos dois anos. Diversos aspectos da Cidade foram debatidos, sobretudo questões ligadas ao abastecimento de água e o tratamento de esgoto de Botucatu.

Conforme o novo presidente da Casa é importante que o Legislativo Municipal mantenha-se em constante contato com as empresas que prestam serviços na Cidade. “Precisamos estar unidos para podermos resolver as demandas da comunidade com mais rapidez e eficiência”, destaca o parlamentar, que pretende agendar outras reuniões com diferentes segmentos da sociedade.

Após o recesso que termina no final de janeiro (1ª reunião de 2011 acontece dia 7 de fevereiro), Curumim já deverá preparar a Mesa para definir o processo de votação que irá definir o número de vereadores que comporão a próxima legislatura, a partir de 2013. De acordo com a Emenda Constitucional nº 58, aprovada no ano passado no Congresso Nacional, em Brasília, cidades com o contingente populacional de Botucatu poderão ter até 19 vereadores, devido ? sua variável que está entre 120 e 160 mil habitantes.

Atualmente, a Câmara botucatuense é composta por 11 vereadores e o novo presidente adianta que não vê problema algum nisso. “Vamos agir dentro da legalidade do que permite a lei, sem cometer excessos. Isso deverá ser resolvido este ano e será uma decisão de consenso dos vereadores com a população. Não descarto a possibilidade de marcar uma audiência pública para que esse assunto seja debatido por diferentes setores da sociedade botucatuense”, frisou o presidente.

Curumim sabe, também que sua gestão, no ano que vem, terá que conviver com as eleições municipais para escolha do prefeito e vereadores, assim como definir o salário dos parlamentares botucatuenses para a gestão seguinte.

“Sinceramente, não estou preocupado com isso e tudo será resolvido no momento adequado em consenso com os demais vereadores. Se em determinado momento tiver que dar o meu voto de minerva (de desempate em uma votação), vou agir como tenho feito até agora, seguindo minha convicção e razão”, concluiu o presidente.