Genoíno discute estratégias políticas com militância botucatuense

O deputado federal, José Genoíno (PT), esteve em Botucatu para se reunir com a militância petista da cidade. Ele foi recebido na sede do PT e antes da reunião com correligionários concedeu uma entrevista exclusiva ao jornal{n} Acontece{/n}.

Num clima descontraído o deputado que busca seu sétimo mandato para deputado federal, explanou sobre o momento político que está vivendo o Brasil, abordando, principalmente, as eleições para presidente da República e ao governo de São Paulo. Como não podia deixar de ser, aposta na candidatura tanto de Dilma Rousseff a presidente da República, como na do Aloízio Mercadante ao governo de São Paulo.

{bimg:6414:alt=interna1:bimg}

{n}Situação política do País{/n}
“A situação política do País está ótima. O Brasil está vivendo um momento positivo na sua caminhada para resolver os graves problemas. Estamos crescendo a um nível muito bom e diminuindo a pobreza e a miséria, com aprovação de muitos projetos. O Brasil está retomando os grandes investimentos em infra-estrutura e estamos bem posicionados no mundo. O Brasil hoje é um dos países protagonistas da nova ordem que está se desenhando após a crise do modelo econômico neoliberal de 2009. Então, vivemos um grande momento. O governo Lula viabilizou um projeto de transformação do Brasil, que deverá ser defendido para continuar com a nova liderança que é a companheira Dilma (Rousseff, candidata a presidente). Entendo que povo brasileiro vai entender que é necessário continuar esse momento, sem retrocesso, sem privatização ou estagnação econômica”.

{bimg:6415:alt=interna2:bimg}

{n}Candidatura de Dilma Rousseff{/n}
“A candidatura da companheira Dilma está tendo um crescimento gradativo consistente e processual. Todo mundo dizia que ela não iria ir muito longe por nunca ter disputado uma eleição. Ela é da nossa geração dos anos 60, que fez oposição a ditadura militar de maneira corajosa e heróica, sempre colocando os seus conhecimentos e sua formação a serviço de projetos populares e foi uma pessoa fundamental nesses oito anos de governo Lula, seja como técnica, seja como política. Tenho convicção que ela está preparada para exercer a presidência da República. É um nome que une o partido e une a maior aliança política que o PT já construiu numa eleição”.

{bimg:6416:alt=interna3:bimg}

{n}Experiência administrativa{/n}
“A oposição dizia há oito anos atrás que o povo brasileiro não podia eleger o Lula, porque não tinha experiência administrativa e não estava preparado para governar o Brasil. Agora diz a mesma coisa da Dilma. A oposição foi derrotada, não tem discurso político para discutir os bons resultados dos oitos anos do governo Lula. Por isso, está se apegando em questões menores. Volto a lembrar que antes do Lula ser eleito a oposição dizia que ele não tinha preparo, não tinha experiência de governo”.

{bimg:6417:alt=interna4:bimg}

{n}Racha no PMDB paulista {/n}
“A aliança com o PMDB é nacional foi homologada em convenção do partido. Temos uma aliança sólida na maioria dos estados brasileiros. Essa aliança não se construiu em São Paulo, mas nós compreendemos essa situação. O fundamental é que vamos ter o apoio nacional do PMDB com o Michel Temer, como candidato a vice-presidente na chapa encabeçada pela Dilma. Mesmo assim, muitos prefeitos, vice-prefeitos, vereadores e outras lideranças do PMDB de São Paulo estão apoiando a candidatura da Dilma para presidente e do companheiro Mercadante (Aluizio) para governador”.

{bimg:6418:alt=interna5:bimg}

{n}Aposta em Mercadante{/n}
“O Mercadante trouxe uma coisa inédita dentro do PT. É a primeira vez que o partido repete um candidato numa eleição a governador. Ele (Mercadante) teve 32% de votos na eleição passada, com mais de oito milhões de votos. Agora ele terá maiores chances de se eleger, pois construiu uma aliança com 10 partidos e conta com a força do governo Lula em São Paulo. Temos prefeituras e lideranças importantes no interior do Estado. Será Mercadante que irá acabar com o tucanato (PSDB), que deixou São Paulo em situação crítica em diferentes setores, como Educação, Segurança, Saneamento Básico e Saúde. Então, iremos fazer uma campanha casada em São Paulo com Lula, Dilma e Mercadante, objetivando o segundo turno, onde os assuntos pertinentes ao Estado poderão ser abordados com mais profundidade por dois candidatos”.

{bimg:6419:alt=interna6:bimg}

{n}Mais um mandato{/n}
“Este ano estarei disputando minha sétima eleição para deputado federal. Sou militante e candidato para contribuir com meu partido. Vivi várias experiências como candidato a governador de São Paulo e depois como presidente do PT. Aprendi muito com essa experiência e assumi todas as minhas responsabilidades, inclusive quando fui, injustamente, atacado na crise de 2005. Fui atacado por ser o presidente do PT. Não fiz nada de errado, nem de ilegal. Fui crucificado por ser presidente do partido. Então, estou nessa luta por um projeto de mudança do País há 44 anos. Fui do movimento estudantil, fui da guerrilha, fiquei cinco anos preso por lutar pela democracia. Estou no PT desde a sua fundação e sou militante desta causa de mudança do Brasil. Começamos essa mudança com o governo Lula e agora daremos prosseguimento com o governo da Dilma. Quando o Lula foi eleito, pegamos um País quebrado, sucateado. Começamos a arrumar a casa morando nela. Agora Brasil se apresenta com bons resultados em todas as áreas. A população sabe disso porque o Lula tem uma aprovação popular nunca vista nesse País. Nesse projeto de mudança do Brasil sou apenas uma peça na engrenagem para ajudar no fortalecimento da democracia e da participação popular nas decisões mais importantes desse País”.

Por: Quico Cuter
Fotos: Valéria Cuter
Vídeo: PT Botucatu