Fernando Cury assina 2ª proposta de CPI da merenda

O deputado estadual Fernando Cury (PPS) assinou na tarde desta terça-feira, 10 de maio, na Assembleia Legislativa de São Paulo, a segunda CPI da Merenda, proposta agora pelo líder do DEM, deputado Estevam Galvão. De acordo com o parlamentar, essa comissão agora é mais abrangente e vai apurar outros desdobramentos da suposta fraude.

“Essa segunda CPI é mais ampla, vai investigar o Governo do Estado, Prefeituras, a Coaf, outras cooperativas e demais pessoas ou agentes públicos envolvidos com supostos prejuízos aos cofres públicos e ao abastecimento da merenda em escolas estaduais. Nesta terça-feira, foram 74 assinaturas de deputados de diversos partidos políticos, inclusive do PSDB e aliados”, explicou Cury.

Com a assinatura desse documento, o deputado reitera seu compromisso em defender a apuração total dos fatos. “Reforço meu compromisso de sempre lutar pela verdade, como fiz desde o início, quando assinei a primeira proposta de CPI, quase três meses atrás”, completou.

(Com assessoria de impresa)

 

Favorável à investigação após confusões geradas por reportagem do Estadão

Em fevereiro deste ano, o jornal Estado de São Paulo veiculou uma reportagem insinuando que o deputado recebia em seu gabinete Marcel Ferreira Júlio, que está foragido desde que foi deflagrada a Operação Alba Branca. Marcel é acusado de ser lobista no escândalo.

Na oportunidade Fernando Cury disse que nunca esteve na Secretaria de Agricultura conversando com envolvidos, muito menos manteve diálogo com o citado lobista. Foi favorável na época que se investigasse o caso profundamente.

Na oportunidade foi expedida uma certidão atestando que o deputado não é investigado no Inquérito Policial 105/15 do qual culminou a Operação Alba Branca. Também foi esclarecido pelo delegado que o assunto tratado durante uma conversa telefônica entre investigados, em que teria surgido o nome do parlamentar, não teve nenhuma relação com os fatos apurados.

(Conteúdo de arquivo)

 

Estudantes pressionaram pela CPI

Quatro dias depois de encerrada a ocupação de estudantes na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Merenda garantiu passo importante para ser aberta: nesta terça-feira (10), os deputados chegaram ao número necessário de assinaturas para a instauração da investigação pedida pelos manifestantes.

Segundo reportagem do portal UOL, o presidente da Casa, Deputado Fernando Capez (PSDB), com berço político em São Manuel, afirma que colocará o assunto em pauta o mais rápido possível. Capez é um dos principais nomes envolvidos no escândalo.

Em janeiro, o Ministério Público do Estado e a Polícia Civil deflagraram a chamada Operação Alba Branca. Segundo as investigações, um esquema de fraude envolvia o pagamento de propina a agentes públicos e era liderado pela Coaf (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar), que mantinha contratos para fornecimento de alimentos com diversas prefeituras e para o governo do estado.

Entre os supostos beneficiários do esquema estaria o atual presidente da Alesp, o deputado Fernando Capez (PSDB). Em fevereiro, o desembargador Sérgio Rui da Fonseca, do Tribunal de Justiça de São Paulo, decretou a quebra de sigilo bancário e fiscal de Capez. Ele nega ter participado do esquema. 

(Com conteúdo Portal UOL)