Empresa promete devolver dinheiro do “Hexa da Sorte”

Cidade
Empresa promete devolver dinheiro do “Hexa da Sorte” 15 agosto 2010

“Ou vai haver sorteio ou a devolução do dinheiro”. Está é a última palavra da Aplub Capitalização S/A e Aplub de Preservação Ambiental, que tem sede em Porto Alegre, sobre a indefinição do sorteio do “Hexa da Sorte” e estava previsto para acontecer dia 17 de julho na sede da Rede Record de Bauru. Porém, o sorteio não foi realizado em razão do juiz Osias Alves Penha, da 4ª Vara Federal de São José do Rio Preto, entender que a promoção é exploração de jogos de azar. O processo ainda está na Justiça sem definição.

Essa promoção foi amplamente veiculada na região de Botucatu, Bauru, Ribeirão Preto e São José do Rio Preto e tinha a adesão de 50 cidades. A cada R$ 20,00 em compras nas lojas credenciadas, o cliente podia comprar uma cartela “Hexa da Sorte” com mais R$ 1,50. No sorteio o consumidor concorreria a quatro carros zero quilômetro e uma casa no valor de R$ 75 mil.

A Aplub Capitalização S/A e Aplub de Preservação Ambiental, responsável pela promoção desse sorteio ainda tenta um acordo na Justiça para tentar viabilizar o sorteio através da Loteria Federal. Em Botucatu, o “Hexa da Sorte” foi coordenado pela empresa Polytel Promoções Assessoria & Mídia Ltda.

O presidente da União ACE (Associação Comercial e Empresarial) e CDL (Câmara dos Dirigentes Lojistas), de Botucatu, Antônio Cecílio Júnior, salienta que a entidade que preside está sendo pressionada com relação ? indefinição do processo, mas alega que não há nada a fazer a não ser esperar a decisão judicial.

Revela que esteve em recente reunião com os representantes da empresa, em Porto Alegre e teve a garantia de que os consumidores que compraram a cartela não irão ficar no prejuízo. Caso a Justiça mantenha a ação impedindo o sorteio, todos aqueles que apresentarem as cartelas serão ressarcidos.

{n}A Proibição{/n}

A liminar concedida pelo juiz federal Osias Alves Penha em ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal (MPF), entende que o “Hexa da Sorte” é semelhante a outro produto, o “Hiper Cap Rio Preto”, proibido pela Justiça Federal em maio deste ano.

De acordo com o MPF, as empresas estariam desrespeitando a decisão judicial. “Os produtos realmente são similares e (foi concluído) que a decisão foi descumprida”, alegou o juiz na decisão. “A prática ilegal consiste na exploração de jogos de azar, o que contraria as regras legais sobre o assunto”, disse, acrescentando que os prêmios são custeados diretamente pela venda do produto.

Paralelo a suspensão da campanha, a Justiça também determinou que as empresas providenciassem a transmissão, nos mesmos canais televisivos e de rádio onde veicularam a realização do sorteio, mensagem informando que ele foi cancelado por força de decisão judicial.

Compartilhe esta notícia
Oferecimento
FREIRE MOTOS
BERIMBAU INST DESK
Oferecimento

Veja também

Oferecimento
VISTORI
SHOPPING INSTITUCIONAL
INSTITUCIONAL ELO
EXAME TOXICOLOGICO