FACULDADE DE MEDICINA ESCOLHEU OS SEUS NOVOS COMANDANTES

A nossa conceituada Faculdade de Medicina de Botucatu (FMB) que, nos últimos tempos, infelizmente, vem num declive sem dimensões, a ponto de ser ignorada nas inúmeras discussões que ocorrem nos colegiados superiores da UNESP, viveu, na semana passada, alguns dias bastante importantes e decisivos rumo à continuidade da sua sólida existência que, inclusive a eleva como referência nacional. A sua bonita história pode comprovar essa minha afirmação!

Os três segmentos desta valorosa instituição escolheram, com grande expectativa, os novos dirigentes que terão a missão de “gerenciar” (como um todo) a FMB nos próximos quatro anos: são eles, os Professores Pasqual Barretti, atual Diretor Presidente da FAMESP e Maria Cristina “Kika” Pereira Lima, respeitável docente do Departamento de Neurologia e Psiquiatria da FMB.

Mesmo com os candidatos de oposição tentando mostrar aos eleitores, com muita insistência, o quanto a tradicional Faculdade de Medicina “perdeu o pique” nos últimos anos (também concordo com essa amostragem), a eleição transcorreu num clima de altíssimo nível; até mesmo, durante os tradicionais debates propostos pela Comissão eleitoral para “clarear” um pouquinho mais a visão dos eleitores, o clima não “esquentou”. Aliás, um fato que não causou surpresa a ninguém, visto que as duas chapas eram compostas por quatro professores (todos ex-alunos) muitíssimo respeitados dentro da faculdade. Tanto a dupla vencedora, (Pasqual – Kika), bem como a que representava a situação (Peraçoli – Silvinho Alencar) tiveram um comportamento democrático digno de um grande pleito, diferentemente do que vem ocorrendo neste “mundão” imundo da política nacional.

Claro que ao final da apuração, a satisfação sentida pelos “oposicionistas” diante do estilo de gerenciamento imposto pela administração atual, teve uma repercussão mais alegre e contagiante, porém, nada que comprometesse a DEMOCRACIA; por sinal, deu para perceber que ambas as chapas esboçaram um programa voltado, exclusivamente, para o bem da nossa “faculdade”, ou melhor, visando a volta do crescimento e respeitabilidade desta nossa querida e adorada “moradia”.

Como funcionário antigo da UNESP (estou em atividade desde 1968, portanto há longos 47 anos, desde a época em que a saudosa FCMBB – Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu – era dirigida pelo Professor Fernando Mota de Azevedo Correa, em meio à crises das mais variadas, entre as quais, aquela que nos proibia até de nos manifestarmos: a maldita Ditadura Militar), posso confessar que estou feliz com a escolha da comunidade, até porque tenho vivenciado, bem de pertinho, tudo o que ocorre na FMB, principalmente, os descasos que envolvem os colegas funcionários técnico-administrativos, lotados na FMB (certamente isso acabará) e, mais ainda, por conhecer a postura do amigo Doutor Pasqual Barretti, nosso eterno representante nos diversos colegiados centrais (esse “moço” ocupa, já há algum tempo, um dos principais cargos na Reitoria, ou seja: preside a Comissão de Orçamento da UNESP); uma pessoa que esbanja competência e conhecimento de causa, especialmente quando se trata de entender as regras que norteiam a nossa Universidade; um cidadão que gosta de gente e que não admite, em hipótese alguma, qualquer tipo de abusos (a maior prova desse comprometimento foi a construção das Casas de Apoio da FAMESP que abriga mais de uma centena de “hóspedes”, pacientes do HC, autorizada por ele em meados de 2005) e, por fim, um exímio administrador (com a palavra os diretores da Fundação que ampara o nosso HC).

Sem dúvida alguma, acredito que logo, logo a nossa “faculdade” voltará a trilhar pelos caminhos que ela jamais deveria ter abandonado. Creio também que a eleição desses dois ex-alunos da instituição, que defendem uma boa “prosa” em tudo e “pra” tudo, será de grande valia não só para a FMB como também para o nosso sempre sofrido e desrespeitado Hospital das Clínicas (no momento, esse fenômeno hospitalar está sendo “custeado” pela Secretaria de Estado da Saúde) e à nossa FAMESP. Com certeza, dias melhores virão para essas três grandiosas potências do Campus Universitário de Rubião Junior. É só caminharem juntos, lado a lado.

Parabéns, queridos amigos Doutor Pasqual Barretti e Doutora Maria Cristina “Kika” Pereira Lima, pela brilhante conquista. Um abraço “pra” lá de carinhoso aos parceiros dessa corrente que trabalhou, incansavelmente, dia após dia, no sentido de que mudanças para melhor acontecessem.

 

 

ASSOCIAÇÃO ATLÉTICA BOTUCATUENSE TAMBEM ELEGE OUTRO GRANDE ADMINISTRADOR

A vida parece querer me mostrar que as pessoas, nos dias atuais valorizam e participam de maneira mais atuante no dia a dia de entidades das quais fazem parte, sejam representativas ou associativas. Acho que as frequentes barbaridades que estão vindo à tona cotidianamente, em todos os cantos deste país sem comando, vêm “chacoalhando” todos os cidadãos que se encontram diretamente, envolvidos nessas organizações, que periodicamente avaliam, através do voto, o desempenho dos seus representantes.

A eleição que ocorreu no domingo passado (24/05), na nossa gloriosa Associação Atlética Botucatuense (AAB) é reflexo desta minha impressão. A diretoria comandada pelo bom amigo Jânio Gonçalves acabou reeleita com uma larga vantagem sobre a chapa oponente. Na minha visão isso representa um prêmio para quem se compromete em desenvolver um trabalho que agrade uma maioria absoluta.

“Longe de mim” querer questionar a chapa perdedora, o potencial dos seus componentes, afinal sempre é bastante salutar a “troca” de idéias. Por sinal, nessa contestação democrática dentre os derrotados senti a presença de muita gente boa (muitos deles meus amigos), sócios que querem trabalhar.

Vou mais além. Até acho que o amigo Jânio deveria ter um carinho especial com alguns desses “opositores” ao seu governo, trazendo-os para servir o clube – exatamente como fiz lá atrás, quando orgulhosamente “estive” presidente da maior entidade representativa de toda a UNESP, a Associação dos Servidores da UNESP e meu amigo Ché Fioreto (eleito vice-presidente nesta eleição da “veterana”), estava ao meu lado, como responsável pelas finanças da ASU. Naquela oportunidade, tão logo passou o pleito, sem constrangimento algum, convidamos alguns dos colegas que eram contrários ao programa que esboçamos em prol do bem da nossa “associação”, para fazerem parte do nosso “time de trabalhadores”. Lembro-me com muita satisfação que tudo aconteceu maravilhosamente bem e todos acabaram ganhando, principalmente a nossa entidade.

Evidentemente que, se tratando de disputa eleitoral, posturas assim ficam nas entrelinhas, sob uma “cortina de fumaça”, quase impossível consolidá-las; entretanto, neste mundinho de extremas dificuldades, para tudo e para todos, o quê nos restou para conseguirmos o sucesso que almejamos (por mais que sejamos arrojados e vencedores) é o caminho do abraço; aquele laço que consolida parcerias dignas, que traz pessoas capazes para junto de si, mesmo que, por um instante tenham sidos OPOSICIONISTAS. Enfim, a arte de “dar as mãos” continua, indiscutivelmente, sendo a melhor opção. Este sim é o caminho de um vencedor.

Parabéns, comunidade associativa da maior e mais gloriosa agremiação social e esportiva da região pela brilhante conquista.  

 Parabéns, queridos amigos diretores deste clube fantástico – no qual, orgulhosamente, lá atrás, na década de 70, tive a grata satisfação de ter sido mais um entre os seus inúmeros “trabalhadores” – por terem aval dos associados, para darem seguimento aos projetos que esboçavam com vistas ao desenvolvimento da nossa simpática “veterana” da Avenida Dom Lúcio, num momento em que o Brasil, de norte a sul, enfrenta uma das suas piores crises.

Parabéns, meus irmãos Jânio Gonçalves, Sérgio “Ché” Fioreto e “Dinho” Herbst, por comandarem um grupo de “artistas” do porte dos componentes de toda a diretoria da AAB.

Com os meus pedidos de desculpas, envio um abraço muito carinhoso ao casal Enza e Carlinhos Denadai. Esses queridos amigos fizeram a diferença embelezando, ainda mais, a minha festa de aniversário e, por um descuido imperdoável, deixei de citá-los na minha última coluna. Profundamente lamentável! Um forte abraço queridos amigos.

Com o mesmo afeto, abraço um dos maiores nomes do quadro de servidores da Fundação para o Desenvolvimento Médico e Hospitalar que completou mais um ano de vida, no último dia 23 de maio: meu amigo Francisco Guedes, o Cowboy Noel. Essa bondosa figura, anualmente faz a alegria da gurizada do Distrito de Rubião Junior no dia de Natal. Parabéns, grande Cowboy!

 

Rubens de Almeida – Alemão

alemao.famesp@gmail.com