O Cavaleiro Solitário ( Gore Verbinski,EUA, 2013 )

O Cavaleiro Solitário ( Lone Ranger , 2013 ), com direção de Gore Verbinski , produção de Jerry Bruckheimer e com Johnny Deep, Armie Hammer, William Fichtner, Tom Wilkinson, Barry Pepper, James Badge Dale, Helena Bonham Carter, Ruth Wilson no elenco, não foi bem nas bilheterias dos Estados Unidos e, como tudo aqui segue as tendências americanas, não deverá decolar muito. Ume pena para um filme que considero muito divertido.
No filme, o nativo americano Tonto narra as histórias que transformaram John Reid,, um homem da lei, em uma lenda da justiça, enquanto os dois heróis improváveis precisam aprender a trabalhar juntos e lutar contra a ganância e a corrupção.

Particularmente, gostei do filme, não somente porque sou fã de carteirinha de Johnny Deep, mas porque levei em consideração de que “O Cavaleiro Solitário” é um filme de puro entretenimento. Apenas uma diversão.
Confesso que me diverti com várias cenas, mas isso não me impediu, também, de ver alguns “defeitos” do longa metragem. Sim, é um filme longo demais para a história apresentada. Sim, o triângulo amoroso do filme é insosso e mal resolvido e o longa tem um toque de “Piratas do Caribe”, franquia protagonizada pelo próprio Deep, vide a direção de Gore Verbinski e produção de Jerry Bruckheimer.

Li vários críticos dizendo que o filme deveria tratar a questão da guerra entre os brancos e os índios com mais dramaticidade e seriedade, mas, não esqueçamos que o filme tem a marca “Disney”, então, não há a pretensão de discutir as dificuldades do velho oeste com mais profundidade ( não querendo justificar a questão).

Embora, alguns críticos também tenham questionado a atuação de Johnny Deep, mesmo interpretando o índio “Tonto” com uma maluquice que lembra o seu famoso Jack Sparrow, ele ainda é o destaque do filme e garante o humor do longa.

O Cavaleiro Solitário foi um herói criado nos anos 30 por George W. Trendel, um cowboy que combate o crime tendo como companheiro seu belo cavalo branco chamado Silver e um índio chamado Tonto. Quem é fã não se esquece da música tema do Lone Ranger, nem de seu grito “Aiooo Silver”.
Não podemos dizer que o longa da Disney seja muito fiel ao famoso Cavaleiro Solitário criado por Trendel, os fãs mais afoitos do Lone Ranger acreditam que o longa poderia ter sido melhor, mas, na minha opinião, o filme cumpre muito bem seu papel de entreter levando o público em uma celerada aventura bem humorada. Lembrem-se: apenas entreter. Uma boa diversão para quem quer arejar as idéias. Portanto, quem procura drama ou uma história mais profunda, vou fazer como o índio tonto: “Procure outro filme, Kemosabe!”

{n}Érika S. M. França
Jornalista – 28.063