O gato, seus ascendentes e a vida moderna

 

Os gatos, embora cada vez mais domiciliados, carregam consigo uma série de comportamentos e instintos herdados de seus ancestrais. Por serem recentemente domesticados quando em comparação com os cães, algumas dessas características são evidentes no seu dia-a-dia.

Na natureza, o felino selvagem como um bom predador solitário, não deve manifestar fraqueza ou sinais de doenças, expondo-se o menos possível a fim de garantir sua sobrevivência. Assim, fica fácil entender o motivo pelo qual a maioria das afecções que acometem o paciente felino não é percebida em sua fase inicial. Alguns tendem a se isolar ou se esconder com o objetivo de não serem notados.

Este pode ser o único sinal de doença. Portanto, quando optamos por introduzir um pet felino em nossa família, o conhecimento de algumas particularidades dessa espécie é necessário e pode fazer a diferença na hora de prevenir e de tratar certas morbidades.

Uma das primeiras informações que precisamos obter com relação aos gatos é o tipo de alimento que devemos oferecer. Ao lembrar que são verdadeiros predadores e carnívoros estritos fica claro a importância da proteína na sua dieta. Além disso, o hábito de caça solitária permite a eles uma refeição exclusiva não sendo necessária a disputa do alimento com nenhum outro predador. Assim, não precisam comer tudo de uma única vez e podem distribuir seu alimento em pequenas porções ao longo do dia.

O gato contemporâneo está constantemente exposto a uma imensa variedade de dietas. Esse leque de possibilidades nutricionais os torna cada vez mais seletivos e potencialmente predispostos a determinadas doenças. Atualmente, na medicina veterinária felina, os distúrbios gastroentéricos constituem uma das maiores casuísticas de atendimento. A doença intestinal inflamatória é o diagnóstico mais comum e é caracterizada pela hipersensibilidade intestinal intimamente ligada a resposta imunológica do animal.

Pode ser identificada, principalmente, por quadros de vômitos recorrentes ou associada a outros sinais quando detectada em uma fase mais evoluída. Trata-se de uma doença crônica que pode e deve ser controlada a base de medicamentos e dietas específicas.

A vida moderna, sem dúvida, trouxe muitos benefícios no que diz respeito à saúde e bem estar dos nossos companheiros felinos, mas não podemos nos esquecer de onde eles vieram. A preocupação em conhecer e preservar ao máximo alguns hábitos naturais do gato torna sua relação com o homem muito mais agradável e saudável.

M.V. Samadhi Corrêa Gomes

Médica Veterinária pós graduada em Medicina Felina