Histórica onda de calor atinge todo o Brasil nesta semana

“Setembro vai terminar quente e outubro vai começar como um forno”, é o que afirma o Climatempo. O serviço de meteorologia explica a nova onda de calor ingressou no país neste domingo (27/09) e deve seguir até dia 07 de outubro.

O MetSul Meteorologia destaca que essa onda de calor será extraordinária e histórica, com possibilidade de recordes no Brasil.

“Trata-se de uma gigante bolha de ar quente, uma cúpula de calor ou “heat dome” em Inglês, em que uma área de alta pressão em altitude gera movimentos de subsidência (descendente) na atmosfera com calor extremo e tempo muito seco. A forte estiagem com baixa disponibilidade de umidade no solo acaba agravando a situação e cria-se um mecanismo de feedback em que o tempo seco agrava o calor e o calor agrava o tempo seco, gerando ainda maior evapotranspiração, ” explica o MetSul.

As anomalias de temperatura que são mostradas pelos modelos numéricos são absolutamente incomuns com desvios imensos. Na região Sudeste, as simulações computadorizadas chegam a projetar temperatura de 30ºC a 1.500 metros de altitude, o que somente se observa em ondas excepcionais de calor como que se registram em áreas acostumadas a calor muito extremo como o Cuyo na Argentina, Califórnia e Austrália.

O MetSul explica que o modelo norte-americano GFS projeta máximas de 41ºC a 44ºC para o interior do estado de São Paulo, especialmente em áreas do Oeste e do Noroeste.

Queimadas

A MetSul Meteorologia adverte que calor com tamanha intensidade em uma atmosfera de umidade muito baixa e ainda com um padrão de estiagem de meses em algumas áreas vai levar o risco de fogo a valores críticos e emergenciais com altíssimo número de queimadas no Centro-Oeste, no Sudeste e na parte mais ao Norte do Sul do Brasil. É recomendável que as autoridades e os meios de comunicação façam advertências para a população sobre o nível crítico de fogo que se espera diante do quadro de temperatura em valores extremos.

Riscos à saúde

Calor em nível excepcional pode causar prejuízos à saúde e, em alguns casos, até levar à morte. Segundo o Centro para Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC), o calor extremo causa mais mortes relacionadas ao clima no país do que qualquer outro evento meteorológico combinado.

O risco de emergências relacionadas ao calor é especialmente alto para idosos, animais de estimação e pessoas com doenças crônicas, mas a exposição ao tempo excessivamente quente de forma prolongada pode aumentar a temperatura de qualquer pessoa, levando à desidratação, exaustão pelo calor ou até mesmo insolação, que pode levar à insuficiência cerebral, cardíaca ou renal, e danos aos tecidos.

Sob calor extremo, em caso de necessidade de passar um tempo prolongado ao ar livre, o o ideal é o amanhecer e com a recomendação de muitas pausas, buscando uma área sombreada quando começar a se sentir superaquecido.

Como regra geral, deve ser evitado o consumo de cafeína e álcool em excesso, ambos diuréticos que desidratam ainda mais o corpo, e deve se buscar a hidratação periódica com muitos líquidos como água e sucos naturais.

O mais importante é procurar atendimento médico se estiver apresentando sintomas relacionados ao calor. Se começar a sentir náuseas, vertigens, confusão mental ou fraqueza, vá para dentro de casa imediatamente e hidrate-se.

Informações da 96FM e Metsul