Assembleia discute possível greve na Unesp

Servidores da Unesp (Universidade Estadual Paulista) podem paralisar suas atividades em Botucatu. Outras cidades onde a Universidade mantém campi também farão essa discussão.

Uma assembleia do Sintunesp foi marcada para a tarde desta terça-feira, 04, para deliberar ou não pelo movimento. A reunião em Botucatu ocorrerá em Rubião Junior a partir das 14h30.

A paralisação poderá ter início na próxima quinta-feira, dia 06. O motivo é a insatisfação pela negativa na concessão do reajuste de 2,2%, proposto pelo Cruesp (Conselho de Reitores das Universidades Estaduais de São Paulo), mas não concedido pela Unesp, que afirmou que pagará em um outro momento.

Não houve o pagamento do mesmo pela Unesp e o Sindicato dos Trabalhadores da Unesp (Sintunesp) informa que não há perspectiva. O aumento oferecido pelo Cruesp foi definido em maio após rodadas de negociação envolvendo funcionários, sindicatos e Reitores das três Universidades públicas de São Paulo, Unesp, Unicamp e Usp.

Na Unesp este é o quarto ano consecutivo que o reajuste proposto fica abaixo da inflação – que para os últimos 12 meses é de 4,94%, segundo o IPCA. No ano passado, as universidades deram 1,5% de reajuste – a inflação do período era de 2,9%. Em 2017, todas tiveram reajuste zero.

O Fórum das Seis, entidade que representa os sindicatos de professores e funcionários das três universidades, diz que as perdas salariais dos últimos anos chegam a 15% e reivindica 8% de reajuste. Diante da proposta dos reitores, o Fórum decidiu pelo indicativo de greve. A adesão à paralisação será votada em cada um dos sindicatos.

Comunicado divulgado por diversos servidores nas redes sociais

Desde 2013, as instituições gastaram mais de 95% dos repasses que recebem do governo estadual – a cota fixa de 9,57% da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), principal fonte de receita – com o pagamento de salário de servidores e aposentados. Mas, no ano passado, o gasto caiu para 90,02% e chegou a 89,75% no primeiro trimestre de 2019 – o menor comprometimento desde 2011.

Na última semana a Unesp disse que neste momento prioriza o pagamento do 13º salários de seus servidores. A assembleia desta tarde em Rubião Junior deve reunir representantes dos cursos nas duas unidades da Unesp em Botucatu.

Com informações do Estadão, Portal G1 e Acontece Botucatu