A BONITA TRAJETÓRIA DE UM INCANSÁVEL MESTRE

Eta vidinha danada! O que explica, senão muita dedicação e comprometimento,  um ser humano permanecer atuante no exercício das suas funções no serviço público, por quase meio século? O que falar de um mestre – senão aplaudir muito e pedir a Deus que o conserve sempre com esse “pique” – que nesses seus 45 anos de serviço público (mais os dez que o qualificaram) preparou milhares de médicos e ainda conseguiu fôlego para ajudar a nossa Faculdade de Medicina ser uma das maiores referências em todo o país e o nosso Hospital das Clínicas ser essa maravilha que hoje é?

Com muita satisfação e alegria estou falando do Professor Doutor Hamilton da Rosa Pereira, um dos ortopedistas mais renomados do Brasil, atualmente Professor Titular na nossa gloriosa Instituição – por sinal, o mestre Hamilton foi quem montou toda a estrutura dessa especialidade na nossa saudosa FCMBB/Faculdade de Ciências Médicas e Biológicas de Botucatu – e uma das pessoas mais respeitadas na sociedade botucatuense, que completou 45 anos de serviços prestados à UNESP, no último mês de dezembro.

A sala de reuniões da Congregação da FMB, acostumada a grandes debates, desta vez se rendeu aos encantos do evento que veio glorificar todo o bem viver desta figura humana do mais alto nível e merecedora de toda a nossa admiração. Por vários minutos (mais de uma hora e meia) aquele aconchegante espaço “conviveu” com todo tipo de situação. Atos de carinho, gratidão, reconhecimento e uma emoção desmedida, não faltaram por lá. A solenidade, além de marcante e deveras justa, ainda se transformou numa festividade das mais emocionantes tidas aqui no nosso Campus Universitário. Coisa rara de se ver nos dias atuais. Parabéns, grande comandante, Hamilton da Rosa Pereira!

Tive a grata satisfação de assistir a justíssima homenagem que a Congregação da Faculdade de Medicina lhe prestou na manhã do dia 14 de dezembro – aliás, bastante louvável a iniciativa do Professor Doutor Pasqual Barretti (Diretor da FMB), que não mediu esforços para ser o PATRONO dessa honraria – até porque também recebi dos membros daquele respeitabilíssimo colegiado um “mimo”, além, é claro, de muito carinho de todos, muito especialmente do inseparável companheiro de lutas e lutas em prol do bem estar dos nossos colegas funcionários, Luiz Aurélio “Lelo” Pagani que, de maneira muito especial “descobriu” coisas que aconteceram na minha vida, nos meus tempos de jovem, que nem eu mesmo conseguia relembrar (que fui engraxate, cobrador de ônibus e Correspondente de um dos maiores Jornais do país, A GAZETA ESPORTIVA, por exemplo), que marcaram os meus “50 anos de casa”. Foi tudo muito prazeroso, inclusive, voltar a estar lado a lado com o Professor Doutor Nelson de Souza, um chefe imediato com quem trabalhei harmoniosamente durante mais de trinta anos. Que maravilha! Muito obrigado caro irmão Doutor Pasqual Barretti. Exatamente como diz a música: “RECORDAR É VIVER”. Confesso que “ganhei” mais uns anos de vida com tudo o que me foi proporcionado naquela manhã. Foi emocionante demais!

Enfim, caro leitor, assim é a vida! Enquanto por este Brasil afora um “montão” de cidadãos se aproveitam do dinheiro público para benefícios pessoais, aqui na nossa Universidade alguns abnegados trabalhadores se esquecem dos seus direitos trabalhistas e optam por continuar seguindo a trilha da dedicação e do comprometimento profissional, um ritual que parece não ter fim.

Como sempre digo que sou maravilhosamente bem cuidado por ELE, o nosso PAI, eis que ganhei o direito de também fazer parte dessa rara “coleção” de servidores públicos que conseguiram ficar tanto tempo a disposição do Estado.  Com as graças do bom Deus tenho como “seguidor” desse desafio, na minha preciosa galeria de amigos, duas preciosidades – por sinal, uma pura coincidência – dois “monstros” da medicina brasileira, que “nasceram” junto com a nossa querida “faculdade” e estão como eu, em pleno exercício das suas funções: os professores Roberto Carlos Burini, um dos “boleiros” mais respeitados da cidade em tempos idos e o mestre da Ortopedia nacional, Hamilton da Rosa Pereira. Parabéns a todos nós!

Encerrando este meu “conto”, cujos acontecimentos não tenho dúvida nenhuma em afirmar, ficará gravado para sempre na minha memória, deixo o meu mais profundo agradecimento ao maior “mestre cuca” aqui da terrinha, um moço que tem um coração muito maior do que ele próprio, que tomou conta de tudo o que ocorreu na recepção que fizemos aos amigos lá na nossa Ferroviária: meu amigo João Cláudio Tomaz da Silva, o queridíssimo “Joaozinho da Aquário”; e a todos os meus colegas da Associação Atlética Ferroviária que, de modo bastante carinhoso entenderam que  a festa de encerramento desse verdadeiro marco na vida de dois profissionais do serviço público deveria ser comemorado nas dependências do “Clube da Baixada”. Glória!

 

Rubens de Almeida – Alemão

alemao.famesp@gmail.com