A briga continua: Rodovias do Tietê diz que obras de ciclovia estão ilegais e critica Prefeitura

 

Arquivo Acontece Botucatu

A Concessionária Rodovias do Tietê emitiu na tarde desta terça-feira, dia 22, uma nota sobre as obras da ciclovia próximas alça de acesso ao km 254 da SP-300, a Marechal Rondon, em Botucatu. A ciclovia, que percorre a extensão da avenida Dante Delmanto, termina logo no início da Rodovia Antônio Butignoli, mas o projeto de expansão passa por esse trecho para seguir até o seu destino final no futuro, o Campus da Unesp em Rubião Junior.

Trata-se de um investimento superior a R$ 3,7 milhões, recursos viabilizados através de uma operação de crédito contraída pelo município junto a Desenvolve SP, agência de fomento do Governo do Estado. A primeira parte da ciclovia foi inaugurada ainda em 2016, na gestão João Cury e tem sequência nos tramites no governo Mário Pardini.

Segundo a Concessionária, as obras estão em desacordo, pois o dispositivo de acesso e retorno localizado no km 254 da Rodovia Marechal Rondon, SP 300, é parte integrante do lote 21 concedido à Rodovias do Tietê. Assim como no caso da Rodovia Gastão Dal Farra, a Rodovias do Tietê afirma que o município não poderia seguir com as obras sem autorização da Artesp.

“Referido trecho sob responsabilidade da Rodovias do Tietê não pode ser objeto de intervenções por parte de terceiros, sejam entes públicos ou privados, sem a necessária autorização e formalização instrumental por parte da ARTESP, a quem compete a fiscalização das atividades das rodovias sob concessão”, diz trecho da nota.

A empresa ataca a Prefeitura de Botucatu, afirmando que tais obras oferecem riscos aos usuários. As declarações só acirram ainda mais os ânimos entre Concessionária e Prefeitura de Botucatu.

“Neste sentido, esclarecemos que as obras de implantação de ciclovia realizadas pela Prefeitura de Botucatu, encontram-se fora de norma, trazendo riscos à segurança e integridade dos ciclistas e usuários da via. A Concessionária ressalta que as obras de implantação de ciclovia realizadas pela Municipalidade de Botucatu, em trecho sob sua esfera de atuação, não podem ultrapassar os limites e avançarem sobre o trecho concedido à Rodovias do Tietê, sem a necessária autorização e formalização instrumental por parte da ARTESP”, explica ainda na nota.

Procurada, a Prefeitura de Botucatu disse que ainda vai se posicionar sobre o caso. As obras da ciclovia são executadas pela empresa Comercial 3D do Brasil, vencedora do processo licitatório aberto pela Prefeitura de Botucatu. O valor total do projeto é de R$ 3.795.984,78.

Gastão Dal Farra

Durante esse mês de agosto as duas partes se estranharam por conta das obras de duplicação da Rodovia Gastão Dal Farra. A Concessionária embargou no fim de julho as obras alegando que administração municipal avançou um trecho de sua responsabilidade.

A Prefeitura, além de afirmar que avisou a empresa sobre as obras, disse que houve mudança nas placas de início de concessão por parta da Rodovias do Tietê. Na última semana a Prefeitura entrou com um pedido de desembargo das obras.