Grupo de mulheres de Botucatu divulga texto em repúdio a exposição de nomes de abaixo-assinado contra abertura do comércio

Um grupo intitulado União de Mulheres na Política em Botucatu divulgou nesta sexta-feira, 12, um texto sobre a postura de vereadores diante de um abaixo-assinado, protocolado no mês passado na Procuradoria Geral de Justiça de São Paulo, que culminou com o fechamento do comércio de Botucatu, que estava funcionando até então com restrições.

Segundo o texto, houve posicionamento equivocado e inadequado de alguns vereadores na Sessão Ordinária de 18/05/2020 da Câmara Municipal de Botucatu. O texto também cita a exposição promovida por alguns vereadores em suas redes sociais, que segundo as autoras, que pediram anonimato, incitou agressões e linchamento virtual contra os assinantes do abaixo assinado.

“Lembramos que o vereador deve ser aquele que zela pelo direito ao exercício da cidadania, além de garantir que a câmara municipal seja o espaço da troca de ideias, do debate e da busca do consenso quanto ao futuro da população. O vereador é um servidor público, enquanto exercer seu mandato, e deve ser reflexo da probidade e da virtude cívica. Diante do exposto, lamentamos a postura dos vereadores que, no exercício de suas atribuições, desviaram-se de seu papel mediador e democrático. Repudiamos as atitudes dos vereadores que ao invés de promoverem o bem comum, criaram polêmicas e expuseram, desnecessariamente, cidadãos no exercício de seus direitos democráticos e constitucionais de livre expressão dentro das instâncias legais da sociedade. Reiteramos nossa defesa da democracia e liberdade de expressão de todas e todos sem exceção”, diz trecho do texto que pode ser lido na íntegra abaixo.

Um e-mail com o mesto texto foi enviado também ao Presidente da Câmara de Botucatu.

Veja o texto na íntegra 

“A/C: Jornalistas de Botucatu

De: UNIÃO DE MULHERES NA POLÍTICA EM BOTUCATU

Estamos enfrentando um momento de grandes desafios e incertezas quanto ao futuro de cada um de nós e de todos que amamos. Acreditamos que a superação da crise sanitária e econômica que assola o Brasil está alicerçada no compromisso coletivo de fortalecimento de nossas instituições e práticas democráticas e não na fragmentação de nossas garantias constitucionais.

Tendo em vista o posicionamento equivocado e inadequado de alguns vereadores na Sessão Ordinária de 18/05/2020 da Câmara Municipal de Botucatu com relação ao abaixo assinado encaminhado por munícipes ao Ministério Público Estadual de São Paulo solicitando providências quanto ao Decreto Municipal 11.975 de 22 de Abril de 2020, da Prefeitura Municipal de Botucatu, que tinha como objetivo determinar a reabertura parcial do comércio não-essencial na cidade, e considerando a exposição promovida por alguns vereadores em suas redes sociais, incitando agressões e linchamento virtual contra os assinantes do abaixo assinado, vimos através deste posicionamento público declarar nosso apoio a todas e todos os signatários da carta. É direito fundamental de quem quer que seja se posicionar publicamente e solicitar avaliação ao Ministério Público (MP) frente a divergências de compreensão sobre a aplicação da legislação vigente uma vez que o MP tem como objetivo a garantia da ordem jurídica e a defesa dos direitos dos cidadãos e dos interesses da sociedade.

Enfatizamos  que este é um momento de união e que nosso foco é o enfrentamento ao novo coronavírus. Compreendemos as razões que levaram esses munícipes a assinarem a carta. É importante entender que os signatários são mães, avós, mulheres e homens que desempenham diversos papéis sociais relevantes para a comunidade botucatuense e que se preocupam com a saúde da população de nosso município. Reconhecemos a situação difícil que vivemos: a perspectiva de aumento do desemprego, a pandemia que se alastra e a insegurança quanto ao futuro, mas sabemos que tudo isso tem sido vivenciado no mundo todo e que teremos que sair disso juntos. A própria pandemia já é responsável por gerar sentimentos de angústia, ansiedade e pânico sem precedentes para a história atual, portanto nossa única saída é coletiva e através da construção e fortalecimento de políticas públicas efetivas.

Lembramos que o vereador deve ser aquele que zela pelo direito ao exercício da cidadania, além de garantir que a câmara municipal seja o espaço da troca de ideias, do debate e da busca do consenso quanto ao futuro da população. O vereador é um servidor público, enquanto exercer seu mandato, e deve ser reflexo da probidade e da virtude cívica. Diante do exposto, lamentamos a postura dos vereadores que, no exercício de suas atribuições, desviaram-se de seu papel mediador e democrático. Repudiamos as atitudes dos vereadores que ao invés de promoverem o bem comum, criaram polêmicas e expuseram, desnecessariamente, cidadãos no exercício de seus direitos democráticos e constitucionais de livre expressão dentro das instâncias legais da sociedade. Reiteramos nossa defesa da democracia e liberdade de expressão de todas e todos sem exceção.

A União de Mulheres na Política em Botucatu se propõe a colaborar de forma irrestrita para a construção de espaços democráticos de discussão e dar apoio às manifestações que visem a proteção à saúde e ao bem-estar da coletividade. Lembramos que o momento instável vivido pela sociedade demanda do poder público transparência e agilidade nas ações de combate à pandemia e assistência à população em vulnerabilidade e, em especial, as mulheres chefes de família que neste momento vivenciam o aprofundamento da pobreza e da dificuldade no acesso à alimentação, moradia e cuidados básicos a manutenção da vida, saúde mental e física de seus filhos.

A União de Mulheres na Política em Botucatu entende que o momento exige, acima de tudo, unidade para que possamos garantir a todas e todos os botucatuenses o direito inalienável à vida.

Sem mais,

UNIÃO DE MULHERES NA POLÍTICA EM BOTUCATU”

 

Relembre 

Abaixo-assinado enviado ao Ministério Público motivou fechamento do comércio em Botucatu