Conselho de Segurança comemora decreto que limita horário de depósitos de bebida

Fotos: Arquivo Acontece

As conversas para o estabelecimento de regras para o funcionamento dos depósitos de bebidas em Botucatu tiveram início em agosto do ano passado em reunião realizada pelo Conseg, Conselho de Segurança. A ideia partiu depois que o conselho passou a receber reclamações por conta de aglomerações de jovens consumindo bebidas alcoólicas em praças e ao redor de depósitos de bebidas.

Nesta semana o prefeito Mário Pardini anunciou decreto que limita o horário desses estabelecimentos. Diante dessa atitude, o presidente do Conseg de Botucatu, Clóvis Martins, enviou um texto à redação do Acontece Botucatu. Confira na íntegra:

A Segurança Pública, Bebidas Alcoólicas e Qualidade de vida de uma comunidade!

O executivo municipal de nossa querida Botucatu através de nosso prefeito Mario Pardini definiu regras claras para funcionamento e fiscalização em depósitos de bebidas a partir desta quinta feira dia 13 de abril!

A comunidade tão sofrida exulta com esse avanço politico e social.

Todos àqueles cidadãos ordeiros e de bem sonhavam, ainda que se mantivessem silentes em sua maioria como já dizia Martin Luter King (o silencio dos bons…), e que buscavam o CONSEG para seus reclamos da desordem na Av. D. Lucio, sobretudo, agora se sentem mais aliviados.

Este é apenas o primeiro passo para a manutenção da paz social na coletividade local que todos os cidadãos que tem seus corações sensíveis ao bem sonhavam.

O Executivo nada mais fez do que ouvir o clamor público ascultado pelo CONSEG de Botucatu e definir regras claras nesse importante segmento econômico, porem privilegiando a Segurança Publica e o bem estar social coletivo.

SIMPLES ASSIM!

A quem interessa ir contra uma medida de melhoria da qualidade de vida em nossa cidade?

Seriam àqueles que ganham com os resultados maléficos dessa deficiência de regras?

Soará pueril argumentar que haverá desemprego no setor!

Não é segredo para ninguém que o alcoolismo é doença crônica, diz a Organização Mundial de Saúde.  Estatísticas apontam que o consumo de bebida alcoólica tem alto percentual de influência nos crimes de homicídio, lesão corporal grave, estupro e atentado violento ao pudor, bem como na violência doméstica e acidentes de trânsito com vítimas fatais.

Segurança Pública é um processo, ou seja, uma sequência contínua de fatos ou operações que apresentam certa unidade, ou que se reproduz com certa regularidade, que compartilha uma visão focada em componentes preventivos, repressivos, judiciais, saúde e sociais. É um processo sistêmico, pela necessidade da integração de um conjunto de conhecimentos e ferramentas estatais que devem interagir a mesma visão, compromissos e objetivos.

Nunca é demais lembrar ainda, que as graves questões de Segurança Pública, não se resumem a questões policiais, já que esse grande e complexo “sistema” tem algumas dezenas de “elos” e a policia é apenas um deles, geralmente o mais sofrido.

Refrescando a memória; O distrito de Jardim Ângela em São Paulo fazia parte anteriormente do Capão Redondo, e Já foi considerada pela Organização das Nações Unidas-ONU como a região urbana mais violenta do mundo. Entretanto, ações da comunidade em conjunto com a polícia, o governo do estado e a PREFEITURA municipal ocasionaram uma drástica redução nos índices de criminalidade da região.

Sabem como?

Aplicando regras severíssimas nos alvarás de bares e depósitos de venda de bebidas alcoólicas.

Botucatu não esta reinventando a roda… esta evoluindo.

Só é contra essa postura de governo local quem lucra com a violência que tal desregramento ocasiona.

Todo cidadão realmente que tem seu coração sensível ao bem coletivo deseja REGRAS e seu rigoroso cumprimento claro. Nada mais.

Aqui registramos nossos mais sinceros agradecimentos pela sensibilidade e parceria de primeira ordem desta mídia “Acontece”, quando muitos meses antes desse desafio vir à tona ainda no ano de 2016 o Jornalista André Godinho em mera conversa de corredores ainda na Câmara municipal instado que foi, se prontificou em apoiar uma ampla clara e meridiana interlocução entre a comunidade e governantes para as graves questões do alcoolismo e deficiência de regras na venda indiscriminada de bebidas alcoólicas.

Cmte Clovis Martins – Presidente do CONSEG de Botucatu

Relembre o caso 

Pardini anunciou na quarta, dia 12, decreto que obriga novo horário por parte dos depósitos

Os depósitos de bebidas terão horário reduzido de funcionamento em Botucatu. O decreto será publicado nesta quinta-feira, dia 13, pelo Prefeito Mário Pardini.

O anúncio foi feito nesta quarta-feira, dia 12, durante apresentação dos números do período de 100 dias da nova administração. A regra terá funcionamento imediato.

Os depósitos agora ficarão limitados ao funcionamento de segunda a sábado até às 22 horas. Aos domingos os estabelecimentos terão que fechar às 14 horas.

“Vemos ainda muitos jovens bebendo durante a madrugada, muitos adolescentes consumindo álcool e entrando em coma alcoólico nos pronto socorros, queremos acabar com isso”, disse Mário Pardini.

A fiscalização ficará sob responsabilidade da Guarda Municipal. Até hoje os depósitos ficavam abertos até à meia noite, sendo que alguns adentravam a madrugada.

Outro lado – proprietário desabafa

Deco: “Poderiam ter nos avisado antes para evitar o acumulo de estoque e os grandes prejuízos que teremos”

O caso dividiu a população. Diversas pessoas criticaram a posição tomada pelo Prefeito Mário Pardini, em especial os clientes e proprietários de depósitos de bebidas.  Caso de Demian Guimarães, o Deco, dono de um depósito da Avenida Santana, área central de Botucatu.

Ao Acontece Botucatu ele disse que empregados e suas famílias serão prejudicados. Afirmou também que não houve prazo para que os comerciantes pudessem se adaptar à medida.

“Fechar os depósitos de bebidas às 22 horas é razoável, pois entendo que a Prefeitura tem o poder de polícia, deve atender ao bem comum e delimitar os horários de funcionamento do município. Mas creio que poderiam ter nos avisado antes para evitar o acumulo de estoque e os grandes prejuízos que teremos, bem como permitir ao menos um mês de aviso aos funcionários. Não pensaram nas famílias que trabalham e vivem desse ramo”, pontuou.

Deco também criticou a decisão do fechamento mais cedo aos domingos. Para ele se trata de um dia importante de trabalho garantido por lei.

“Razoável seria uma adaptação, reduzindo aos poucos e trabalhando em conjunto, Prefeitura, segurança pública e depósitos. Mas restringir os depósitos de trabalhar aos domingos após às 14 horas fere princípios constitucionais, sendo um deles o da livre concorrência, pois estarão abertos os concorrentes, como supermercados, bares, lanchonetes, conveniência e afins. Espero do fundo do coração que revejam esta atitude e nos deem uma adaptação de horários, descendo da meia noite às 23 horas e, se não resolver, aí sim fechamos às 22 horas. Mas o domingo é ilegal e iremos atrás de nossos direitos”, explanou Deco Guimarães ao Acontece Botucatu.

O que dizem as autoridades policiais?

Alexandre Cagliari – Comandante da 1ªCIA de Polícia Militar 

“Acho excelente a medida tomada pela Prefeitura. Depósito de bebida não é bar. Alguns usam o depósito como se fosse um bar a céu aberto. Precisam de toda uma documentação para funcionar dessa maneira. Como funcionam hoje, os depósitos incentivam o consumo de bebida por parte dos jovens. Eu tenho um estudo aqui sobre o aumento de 70% dos crimes nas proximidades”, diz Capitão Cagliari.

O policial afirmou que com baixo efetivo, a Polícia Militar não pode se dar ao luxo de desviar viaturas do patrulhamento para conter jovens que fazem ingestão de álcool. Salientou a dificuldade da Polícia Militar, pois, em sua opinião, esses locais de aglomeração também servem de abrigo para quem comete crime na região.

Adjair de Campos – Secretário Municipal de Segurança Pública e Direitos Humanos

“Tivemos vários casos onde carros, casas e escritórios eram furtados e até roubados e os marginais se infiltravam depois nesses locais. E como vamos achar o autor no meio de tantos jovens em uma aglomeração como essa? Tenho casos de tráfico de entorpecente registrados na aglomeração de jovens na frente desses estabelecimentos e como vou identificar e pegar o traficante no meio de tanta gente? Eles agem ali, todo mundo sabe, alguns donos sabem, pois eles mesmos já procuraram a polícia. Sem contar os acidentes e infrações de trânsitos sob o efeito do álcool. Eu não posso disponibilizar uma viatura que deixará de proteger a população apenas para tomar conta de jovem que vai beber nesses locais. O dono de um depósito é o responsável por isso, não pode na conta da Polícia. Por isso apoio a decisão”, conclui Cagliari ao Acontece Botucatu.