VAS realiza levantamento sobre o mosquito da dengue

Neste mês de outubro, a Vigilância Ambiental em Saúde (VAS) vem realizando em Botucatu o Levantamento Rápido de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), atividade preconizada pelo Ministério da Saúde que tem como objetivo medir o índice de infestação do mosquito transmissor da dengue, em sua fase larvária e avaliar quais são os principais recipientes nos domicílios que estão em condições de se tornar criadouros de mosquitos.

Em 2011, o resultado do levantamento no Município foi de 0.4 imóveis com larvas de mosquitos para cada cem visitados. O índice indicado como satisfatório pelo Ministério da Saúde é menor ou igual a 1.0. O supervisor de serviços de Saúde Ambiental e Animal, Valdinei Moraes Campanucci da Silva, acredita que o índice permanecerá satisfatório este ano.

“Com as atividades de intensificação em áreas com maior infestação do mosquito transmissor da dengue realizadas durante os meses de agosto e setembro esperamos que o índice continue dentro do satisfatório em Botucatu, abaixo do 1.0 indicado pelo Ministério da Saúde”, salienta.

Para Botucatu ter um verão sem dengue, a VAS orienta a população a receber os agentes de saúde pública e acatar suas recomendações, como não deixar recipientes em condições de acumular água da chuva ou provenientes da rede de abastecimento sem os devidos cuidados, pois o mosquito Aedes aegypti se prolifera em água parada e limpa.

De acordo com Campanucci, em 2012, a VAS já atendeu 94 notificações de casos suspeitos de dengue com apenas cinco casos positivos importados da doença (contraídas fora de Botucatu).

“A transmissão da dengue acontece quando o Aedes aegypti pica uma pessoa doente, se infecta e transmite a doença ao picar uma pessoa sadia. Com as atividades de redução de criadouros em torno dos casos suspeitos e confirmados não tivemos transmissão da doença em nosso munícipio. Ao apresentar sintomas como febre alta, dores de cabeça, dores no fundo dos olhos, dores pelo corpo, cansaço, indisposição, deve-se procurar atendimento médico e evitar a automedicação”, reforça Campanucci.

Durante os meses de outubro e novembro, a VAS está apresentando um teatro educativo nas escolas de educação infantil do Município. Por meio de bonecos e fantoches, os agentes de saúde pública ensinam as crianças a combater o mosquito transmissor e serem multiplicadores da informação no ambiente familiar.