Oficina define rumos para o Centro de Saúde Escola

Foi realizada nos dias 18 e 21 de outubro a Oficina de Planejamento do Centro Saúde Escola (CSE) – Unidade Auxiliar de Estrutura Complexa da Unesp e vinculado ? Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB). O objetivo foi discutir novos rumos para o serviço, que passou por significativas mudanças nos últimos anos.

A programação do evento, que contou com a organização do Grupo Técnico de Desenvolvimento de Recursos Humanos da FMB (GTDRH), foi dividida entre o Anfiteatro da Patologia e a Central de Salas de Aula da FMB. No primeiro dia, a supervisora do CSE, professora Janete Pessuto Simonetti traçou um panorama sobre a atual situação da unidade. Em seguida, foi realizada uma palestra com o professor João Terra Filho, da USP de Ribeirão Preto, que abordou o tema “Relato de experiência – CSE – USP – Ribeirão Preto: funcionamento, parcerias estabelecidas, alcance de resultados que viabilizam a unidade”.

Outra palestra foi coordenada pelo Dr. Arnaldo Sala, diretor da Área Técnica da Atenção Básica da Coordenadoria Regional de Saúde. O especialista falou sobre “Visão dos Centros de Saúde Escola na ótica da Secretaria de Estado da Saúde”.
A enfermeira Daniela Cristina da Silva também esteve presente no evento, representando o secretário Municipal de Saúde de Botucatu, Dr. Cláudio Lucas Miranda, e apresentou o tema “Distribuição, funcionamento e financiamento da rede básica de saúde no município de Botucatu”. Além dela, o professor Cássio Roberto Macedo Maia, representante da Pró-Reitoria de Extensão da Unesp, palestrou a respeito do “papel das unidades auxiliares junto ? s unidades universitárias da Unesp”.

Em seguida, aconteceram mais três períodos de trabalhos em grupos, que resultaram nas definições da missão e metas do CSE. Também esteve presente em todas as atividades o vice-prefeito de Botucatu e professor da FMB/Unesp, Antonio Luiz Caldas Júnior.
De acordo com a diretora da FMB/Unesp, professora Silvana Artioli Schellini, em seu plano de gestão foi apresentada ? comunidade acadêmica a disposição de trabalhar pela consolidação do Centro de Saúde Escola (CSE) enquanto Unidade Auxiliar da Unesp.

“Com o forte propósito de discutir e traçar um plano de metas para o CSE, incentivamos a atual coordenação da Unidade, professoras Janete Pessuto Simonetti e Maria Dionísia do Amaral Dias, a desenhar uma oficina com a participação de todos os servidores do CSE, assim como membros da FMB, da Secretaria de Estado da Saúde (SES), da Secretaria de Município da Saúde (SMS) e também representante da Comissão de Avaliação das Unidades Auxiliares da Unesp”, esclarece .

Entre as principais confirmações obtidas durante as discussões foi que os problemas cruciais enfrentados pelo CSE atualmente são: a falta de recursos humanos e um orçamento insuficiente. “Não há como negar que está instalada uma crise de importância para os centros de saúde escolas, não só o de Botucatu, mas todos os demais, pelo redirecionamento do Estado para a aplicação de múltiplas políticas, inclusive com a municipalização da saúde”, diz professora Silvana. “Há muitos anos estamos dilapidando os recursos humanos que atuam no CSE, muito por conta das aposentadorias que acontecem ou por perda de profissionais para o mercado de trabalho da saúde, que se encontra aquecido”, explica a diretora da FMB.

Há alguns anos, a Secretaria de Saúde de Botucatu (SES) integrou o CSE ? rede de saúde do Município e financia parte dos recursos humanos que atuam na unidade. “Durante muitos anos, fornecemos treinamentos para a SES, com o intuito de formar recursos humanos para a Atenção Básica e éramos ressarcidos por esta atividade, o que deixou de existir nos últimos anos, agravando a escassez de recursos”, lembra a professora Silvana.

A missão que foi delineada pelos participantes da oficina mostrou que a vocação do CSE está fortemente voltada para a assistência de qualidade, com um vetor que o diferencia das outras UBSs: há capacidade instalada para trabalhar tecnologias inovadoras, como um “celeiro” de idéias e difusão de conhecimentos. “Saímos todos revitalizados para aplicar as novas metas traçadas pelos atores da oficina. Gostaríamos, eu e o Prof. Peraçoli, de registrar o nosso entusiasmo pelas novas oportunidades que foram apresentadas”, garante professora Silvana.

Para a vice-supervisora do CSE, professora Maria Dionísia do Amaral Dias, a oficina foi muito relevante para o planejamento de nova fase do CSE, não só por ter apontado diretrizes para o trabalho, mas sobretudo por ter contado com a participação de diversos atores internos da FMB e também parceiros externos. “Assim, saimos com a certeza de que a continuidade do trabalho contará com apoio da direção da faculdade, da Secretaria Municipal de Saúde de Botucatu e propostas que deverão retormar parcerias antigas, como com a Secretaria de Estado da Saúde”, avalia.

A primeira etapa da Oficina, com apresentação do trabalho desenvolvido atualmente no CSE e com as contribuições dos convidados foi fundamental para o embasamento de toda a discussão que ocorreu nos momentos posteriores. O desafio agora está nas mãos das direções, da FMB e do CSE, da equipe do CSE e da SMSBotucatu, para a continuidade da tarefa, com detalhamento do planejamento e sua execução.

Da Assessoria