HCFMB realiza seu primeiro transplante autólogo de medula óssea

Procedimento foi realizado com sucesso e envolveu diversas equipes do hospital

hospital-medulaO Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB) realizou seu primeiro Transplante Autólogo de Medula Óssea (TMO). O procedimento, feito em uma paciente do sexo feminino de 61 anos, foi cuidadosamente planejado e contou com a atuação de diversas equipes do hospital, o que fez dele um grande sucesso.

A medula óssea é o órgão responsável pela produção das células do sangue (hemácias, leucócitos e plaquetas) e do sistema imunológico (células de defesa) do nosso organismo. Quando algum tipo de doença maligna afeta essas células do sangue, o Transplante de Medula Óssea é uma das maneiras de reconstituir a medula doente.

No TMO autólogo, o paciente doa medula para ele mesmo. Assim, não há necessidade de procura de doador compatível. Esse tipo de tratamento é indicado como uma estratégia para consolidar o tratamento quimioterápico, como nos casos de Mieloma Múltiplo, que corresponde a 1% de todos os cânceres e a 10% dos cânceres sanguíneos; e linfomas agressivos, que retornam após um primeiro tratamento. Também pode ser usado em alguns casos de leucemia mielóide aguda.

O coordenador do setor de Oncologia e do Serviço de Transplante de Medula Óssea do HCFMB, Dr. Rafael Gaiolla, dá detalhes do procedimento. “A paciente apresentou Mieloma Múltiplo, um tipo de câncer que atinge células da medula óssea. Entramos com um tratamento para estimular a sua medula óssea a liberar as células-tronco para a circulação, e, em seguida, coletamos essas células por um procedimento chamado leucoaférese. Essas células foram congeladas e a paciente recebeu a quimioterapia para destruir a medula óssea, o chamado condicionamento. Dois dias depois, as células-tronco são descongeladas e inseridas pelas veias, como em uma transfusão de sangue. Elas retornam à medula óssea e repovoam esse local, reestabelecendo a produção normal do sangue”, diz.

A Equipe de Enfermagem do HCFMB foi devidamente treinada para atuar no procedimento. A enfermeira responsável pelo TMO, Karina Alexandra Batista da Silva Freitas, especialista em oncologia, realizou treinamento no Hospital Amaral Carvalho de Jaú, e elaborou um Procedimento Operacional Padrão (POP) para TMO. Com o procedimento validado, iniciou-se a capacitação teórica e prática dos técnicos de enfermagem e enfermeiros. Além da instrumentalização da equipe, a enfermagem também foi responsável por propor melhorias estruturais, acompanhando as obras de adequação da área destinada ao TMO.

A Gerente de Enfermagem do HCFMB, Karen Batista, falou sobre o transplante. “Esse transplante marcou o início de um novo serviço altamente especializado, em nível de excelência, trazendo benefícios importantes para a população. Os técnicos de enfermagem e os enfermeiros são fundamentais no procedimento, pois estão na linha de frente de todo o processo, demonstrando a importância da participação de toda equipe. Todos trabalharam em conjunto e sintonia não medindo esforços para o sucesso do procedimento e segurança do paciente, garantindo um caminho de sucesso para todos os transplantes”, comentou.

O Hemocentro do HCFMB deu todo o suporte hemoterápico para os procedimentos. Liderada pelo diretor Dr. José Mauro Zanini, uma equipe multidisciplinar foi treinada para que todas as técnicas envolvidas no TMO autólogo fossem realizadas no hospital com sucesso e segurança.

A paciente M.S.M, de 61 anos, falou sobre como se sentiu ao realizar o primeiro procedimento no Hospital. “Toda a equipe me passou muita segurança. Dr. Rafael e Dr. José Mauro foram muito presentes e acompanharam tudo de perto. Fiquei muito tranquila ao ver que tudo o que eu perguntava era respondido com precisão. Toda a equipe é muito boa e vi que eles estavam realmente preparados. Continuo sendo acompanhada e estou me recuperando muito bem”, disse.

Para Gaiolla, o procedimento de TMO autólogo realizado no HCFMB é um grande marco para o Hospital. “O serviço de TMO do HCFMB vem sendo pensado há pelo menos quatro anos. A realização do primeiro TMO com sucesso nos deixa muito contentes e satisfeitos, certos de que o nosso trabalho vem sendo realizado de forma séria e com o comprometimento de todas as equipes envolvidas”, afirma.

A expectativa do Serviço de Transplante de Medula Óssea do HCFMB é que, até o final do ano, sejam transplantados em torno de dois pacientes ao mês.

(Assessoria de Imprensa do HC)