Goteiras no Centro Cirúrgico faz HC cancelar cirurgias

Na manhã desta segunda-feira (24) uma séria denúncia contra o Hospital das Clínicas (HC) de Botucatu foi feita pelo radialista Vanderlei dos Santos, no programa “A Marreta” da Rádio Municipalista. Segundo ele, cirurgias importantes estão sendo canceladas ou adiadas em razão do excesso de goteiras no Centro Cirúrgico.

Santos ainda ressaltou que a denúncia foi feita por profissionais que prestam serviços ao HC e ficam impossibilitados de fazer cirurgias quando chove. “É uma vergonha saber que isso (adiamento de cirurgias) esteja acontecendo no Centro Cirúrgico do HC. Alguma coisa precisa ser feita”, salientou o radialista, lembrando que os problemas se intensificaram após a autarquisação, quando o hospital ganhou autonomia e passou e gerir suas despesas e receitas, dando resposta dos seus atos e gastos apenas ao Governo do Estado.

Recentemente o jornal Acontece Botucatu em sua edição impressa, publicou um editorial sobre a situação que vive o HC desde sua autarquisação, com o título: “Hospital das Clínicas tem dois extremos distintos”. Nele cita a área de pesquisas científicas do Hospital das Clínicas (HC) de Botucatu que é, simplesmente, maravilhosa e eficaz nas mais diferentes especialidades de Saúde e tem extensa folha de serviços prestadas ? nação brasileira na descoberta de cura para diferentes enfermidades. Entretanto, no atendimento ao público a situação não é tão boa assim e não são poucas as reclamações que são feitas aos meios de comunicação.

Em programas de rádio já foi denunciado que estaria faltando roupas de cama para os pacientes, materiais que estão sob a responsabilidade de uma empresa terceirizada contratada pelo HC após a autarquisação. As emissoras também receberam denúncias de que estaria faltando até produtos básicos como gaze, esparadrapo e copo plástico.

Jornais publicaram que pacientes ficam aguardando atendimento (pasmem) pisando em poças d´água que invadem os corredores em dias de chuva, com imagens postadas em redes sociais. Outro ponto negativo é a demora no atendimento dos Prontos Socorros (regional em Botucatu e o do próprio hospital, em Rubião Júnior), onde pessoas aguardam horas para serem atendidas e meses para marcarem consultas. Também não se pode esquecer casos de acusações de negligências e erros médicos, ocorrendo até mortes e pacientes sendo atendidos em macas nos corredores (foto).

A televisão não deixou por menos e denunciou médicos que batiam ponto de entrada e saída do trabalho, mas cumpriam expediente fora do hospital atendendo suas necessidades particulares, deixando pacientes na fila de espera. Pra piorar, uma recente normativa proíbe o médico do HC de fazer hora extra “por contensão de despesas”.