Estudo com selante de fibrina procura 40 voluntários

Após a primeira fase de estudos com o selante de fibrina derivado do veneno de cobra cascavel, a Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB), por meio de sua Unidade de Pesquisa Clínica (Upeclin), dará início a segunda fase. Serão selecionadas 40 pessoas com úlcera venosa crônica nas pernas para participar desta etapa. O bioproduto, criado a partir da mistura de uma enzima extraída do veneno da cascavel com fibrinogênio de sangue de búfalos, e que auxilia na cicatrização de feridas, foi desenvolvido pelo Centro de Estudos de Venenos e Animais Peçonhentos (Cevap) da FMB.

O objetivo é avaliar a segurança do selante de fibrina no processo de cicatrização de úlceras venosas. “Após este estudo faremos um maior, multicêntrico, envolvendo vários Estados do Brasil”, explica a professora Luciana P. Fernandes Abbade, do Departamento de Dermatologia e Radioterapia da FMB e pesquisadora responsável pelos estudos clínicos com o bioproduto.

Esta segunda etapa, intitulada “Selante de fibrina derivado do veneno de serpente para tratamento de úlceras venosas: ensaio clínico não controlado fase I/II para avaliar a segurança, eficácia e confirmar a menor dose utilizada – Estudo SELANTE II”, terá duração de três meses. As aplicações serão realizadas exclusivamente no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB).

Os voluntários que participarão desta fase deverão obedecer os seguintes critérios: homens e mulheres com mais de 18 anos; ter ferida na perna de origem varicosa (relativo a varizes ou pós trombose venosa profunda); ter disponibilidade de comparecer uma vez por semana para o tratamento na Upeclin; não utilizar anticoagulantes (Marevan, Clexane e outros); não ter alergia ao tratamento com bota de Unna (bandagem utilizada como curativo) e não estar grávida. 

“Serão realizados curativos semanais com aplicação do produto, que é semelhante a um gel, sobre a ferida e a bota de Unna”, salienta professora Luciana. “Nos estudos anteriores o selante demonstrou ser um produto seguro. Na última fase, houve cicatrização em 38,8% das úlceras e melhora em 33,3%, totalizando melhora significativa em 72,1% dos casos”, finaliza.  Os interessados em integrar o estudo deverão entrar em contato com a Upeclin pelo telefone (14) 3880-1663. O horário de atendimento da Unidade é das 8 horas às 17 horas.

Foto – Cevap