Especialistas debatem sobre câncer de mama em idosas

Membros do Centro de Avaliação em Mastologia (CAM ) “Professor Laurival A. De Luca’, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (HCFMB) comandaram uma Reunião Cientifica da Sociedade Brasileira de Mastologia – Regional de São Paulo, sobre o tema câncer de mama em mulheres idosas.

Estiveram presentes nesta Reunião realizada na APM, os seguintes especialistas da FMB: Aristides Palhares (cirurgião plástico), Heloísa Vespoli (mastologista), Katia Koga (Medicina Nuclear), Guareide Carelli (oncologista), Gilberto Uemura (mastologista), Mariangela Marques (patologista), Eduardo Carvalho (mastologista), Bastista Oliveira (radioterapeuta) e o Dr. José Ricardo Rodrigues (mastologista).

Eles foram convidados para compartilharem seus conhecimentos sobre como tratar a doença em mulheres acima de 70 anos de idade. Participaram do evento, como ouvintes, mastologistas de todo o Estado de São Paulo e a Reunião foi transmitida online para todo o Brasil.

O professor do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da FMB, José Ricardo Rodrigues, que coordenou os trabalhos, explica que o tema tem sido bastante debatido no meio científico entre os Mastologistas, pois a mulher com 70 anos ou mais precisa de um acompanhamento multidisciplinar, já que, a maioria, apresenta outras doenças sistêmicas além do câncer de mama. “Atualmente, se dá muita importância para a avaliação geriátrica das mulheres, pois elas muitas vezes apresentam comorbidades que influenciam no tratamento indicado a elas”, afirma.

Dr. José Ricardo também destaca, com base em estudos recentes, que em até 35% dos casos de mulheres idosas, com câncer de mama, o tratamento é modificado após uma avaliação geriátrica. “Dessa forma, as mulheres, muitas vezes, podem ser submetidas a um subtratamento do seu câncer. Uma paciente, por exemplo, com limitações para locomoção poderá ter dificuldades para se submeter as sessões diárias de Radioterapia em detrimento do seu tratamento”, avalia.

O especialista destaca que a expectativa de vida de mulheres com 70 anos, saudáveis, por exemplo, é de cerca de 21 anos. Já aquelas que apresentam algumas comorbidades, vivem, em média, mais 9 anos em contraste com as mulheres saudáveis. “Por isso é importante que a mulher idosa, com câncer de mama, tenha uma avaliação do geriatra, além do Mastologista e do Oncologista. No tratamento do câncer de mama em mulheres idosas devem ser avaliadas e consideradas como opções a cirurgia, a quimioterapia a radioterapia e a hormonioterapia”, frisou.