Especialista realça campanha sobre o zumbido

A Campanha Mundial Novembro Azul tem por objetivo ser um marco no combate ao câncer de próstata. Uma das finalidades é conscientizar a população sobre a realidade da doença que, em 95% dos casos, aparece em estágio avançado. O que poucos sabem é que neste mês também é celebrado o Novembro Laranja, campanha nacional de alerta ao Zumbido, iniciativa que visa alertar a população sobre o aumento de problemas no ouvido em todas as faixas etárias.

Decorrente de uma série de fatores, dentre os quais longa exposição a sons elevados, o zumbido, na maioria das vezes, é acompanhado de perda de parte da audição, podendo ser tratado com a utilização de um aparelho auditivo gerador de sons que auxilia o paciente a se reabilitar. Quando o zumbido é diagnosticado precocemente, em alguns casos, apenas o uso de medicamentos pode resolver o problema.

De acordo com a Associação de Pesquisa Interdisciplinar e Divulgação do Zumbido (Apidiz), no Brasil são mais de 28 milhões de pessoas de todas as idades que têm zumbido. Caracterizado por um som que as pessoas escutam no ouvido ou na cabeça, especialmente no silêncio (apito, chiado, cigarra etc), o problema aumentou de 15% para 24% na população, mais do que a asma, diabetes, surdez, cegueira ou Alzheimer.

Para o médico otorrinolaringologista vinculado ao Departamento de Oftalmo/Otorrino e Cirurgia de Cabeça e Pescoço da Faculdade de Medicina de Botucatu/Unesp (FMB) Norimar Hernandes Dias a campanha é fundamental para alertar a população sobre a importância de se procurar o médico a partir do momento em que perceber a existência do zumbido. “Atualmente, 80% dos pacientes têm o zumbido e não procuram o médico ou vão procurá-lo depois de muito tempo”, explica.

O especialista também realça que o diagnóstico precoce é o primeiro passo para evitar o progresso do problema que pode já estar instalado. Pesquisas recentes apontam que o zumbido atinge pessoas nas mais diferentes idades, incluindo crianças. “Sua incidência (zumbido) vem aumentando muito nos últimos tempos, seja pelo envelhecimento da população, pelos hábitos incorretos de alimentação, falta de atividade física regular ou pela exposição a sons muito elevados”, finaliza Norimar.

 

Prevenção

– Em festas, shows ou bares ruidosos: use protetores de ouvido e faça intervalos periódicos (dez minutos a cada uma hora). Isso faz muita diferença para a segurança dos ouvidos. Não ache "normal” sair da balada com zumbido!

– Com fones de ouvido: evite ultrapassar a metade da potência do aparelho ou usar mais que duas horas seguidas.

– Alimente-se bem, quatro a seis vezes ao dia, pouca quantidade, evitando abuso de cafeína, doces, álcool e nicotina.

– Hidrate-se bem: beba água ou água de coco para seus rins conseguirem eliminar melhor as toxinas.

– Exercite-se cinco vezes por semana: combata o sedentarismo, um grande inimigo: seu metabolismo vai melhorar!

– Alivie seu estresse com atividades relaxantes eficazes: yoga, meditação, Tai-Chi-Chuan, Chi-Cong etc.

– Troque momentos de silêncio por estimulação dos seus ouvidos com baixo volume de sons suaves.

– Diminua o tempo de celular direto no ouvido: use mais mensagens de texto, viva-voz ou fone.

– Evite automedicação: certos anti-inflamatórios e antibióticos podem causar zumbido.

– Incorpore mais momentos de prazer na sua vida: atividade física, passeios, relacionamentos saudáveis, cinema etc. Momentos de felicidade ajudam a restaurar nossos órgãos, inclusive os ouvidos.