Polícia Ambiental alerta sobre período da piracema

A Polícia Militar Ambiental de Botucatu alerta os pescadores amadores e profissionais que já está iniciada ? época da Piracema, que é o período de desova dos peixes. As normas fixam o dia 1º de novembro de 2012 como início das restrições de pesca e o dia 28 de fevereiro de 2013 como final.

Os peixes reofílicos (que migram para reprodução) precisam nadar contra a correnteza em uma subida árdua até as cabeceiras dos rios, para se reproduzirem. Eles têm de vencer também a pesca predatória, feita clandestinamente com armadilhas, redes, tarrafas, puçás, e outros artifícios por pescadores e outras pessoas sem a devida preocupação com o futuro dos peixes.

O ciclo de reprodução dos peixes de piracema acontece todos os anos e representa um exemplo de luta pela vida. Os peixes que não migram, não amadurecem seu processo hormonal e, consequentemente, não se reproduzem, o que não contribui para a perpetuação da vida. A pesca neste período pode se caracterizar em crime e o infrator poderá ser preso em flagrante e pagar multa, cujo valor varia de acordo com a gravidade da infração. Através destas medidas, evita-se o desequilíbrio ecológico nos rios.

Policial da Ambiental Botucatu, que é responsável pelo atendimento em várias cidades da região, cabo Christófalo, destaca que é necessário que o pescador conheça seus direitos e deveres quando for praticar a pesca. “A Polícia Ambiental não quer estragar o lazer de quem quer que seja, mas tem, por força de lei, que punir aquelas pessoas que não respeitam as normas pesqueiras, como a piracema, que incluem tamanho de peixes, quantidade, maneira de pescar sem predação, entre outras coisas. Qualquer dúvida a gente está aqui para atender a quem nos procura”, coloca o PM, lembrando que o telefone da Ambiental é (14) 3882-6070.

Explica o cabo da Ambiental que durante a piracema, fica proibida qualquer atividade de pesca profissional, inclusive, o uso de redes, tarrafas, covos e outras armadilhas. Os pescadores amadores somente poderão pescar usando vara simples, com molinete ou carretilha, capturando as espécies exóticas (não nativas) como a tilápía e a corvina.

“Além disso, é necessário limitar a quantidade de peixes capturados em 10 quilos. A pesca desembarcada, aquela que é praticada no barranco dos rios, está permitida, desde que os critérios estabelecidos pela legislação ambiental sejam respeitados. O mesmo vale para a pesca em reservatórios. Também estão liberados campeonatos e gincanas, desde que os peixes capturados sejam exóticos e posteriormente devolvidos ? natureza”, observou Christófalo.

As restrições na pesca durante o período da piracema, continua o cabo da PM, tem como objetivo garantir que os peixes nativos da região possam procriar para sua reprodução. “O período da piracema é fundamental para a reposição das espécies que vivem nos rios, barragens e represas do Estado e a polícia está atenta para fazer com que as normas sejam cumpridas”, alertou.

{n}O ciclo{/n}

Piracema é o período de desova dos peixes que ocorre entre os meses de outubro a março. Os peixes que migram para reprodução precisam nadar contra a correnteza em uma subida árdua até as cabeceiras dos rios, para se reproduzirem. Durante este evento, os peixes gastam muita energia, o que contribui para queima de gordura acumulada no corpo. A glândula hipófise, existente na base do cérebro, é estimulada e desenvolve hormônios, incluindo os responsáveis pela reprodução.

Fatores como temperatura da água (entre 26 e 28 graus), enxurradas causadas por chuvas que aumenta o nível da água, e a ampliação da quantidade de horas de luz por dia, estimula a hipófise, órgão que comanda todo o processo de reprodução, a intensificar a produção de hormônios. Na luta contra a correnteza, cada espécie de peixe necessita de um determinado espaço, chamado de amplitude migratória, para conseguirem chegar ao estágio de reprodução.

Não são raros os casos em que os peixes encontram obstáculos muitas vezes fatais como barragem no leito de um rio, onde se lançam contra a parede e infelizmente morrem. Superando todos os desafios durante o percurso rumo ? reprodução da vida, em exaustão, as fêmeas amadurecem os hormônios e liberam os ovos na água, enquanto os machos derramam o sêmen. Acontece então a fecundação. Os ovos lançados pelas fêmeas variam entre as espécies.

Os ovos fecundados eclodem (nascimento dos peixes) cerca de 20 horas após a desova. Os alevinos (larvas de peixes) nascem com uma reserva de nutrientes (saco vitelino) que dura nos dois a três primeiros dias de vida. Através da correnteza são levados para as lagoas marginais, ficando ali pelo prazo de um ano, até a próxima cheia, quando estes peixes, agora jovens, voltam para o leito do rio. Com o passar dos anos e atingindo o grau de maturação para reprodução, repetirão o mesmo ciclo de seus pais. O ciclo de reprodução dos peixes de piracema acontece todos os anos e representa um exemplo de luta pela vida.