PM prende assaltante de empresa no Parque Marajoara

Em trabalho de patrulhamento preventivo/ostensivo, a Polícia Militar com os sargento Rogério e soldados Eliete, Marcos Antônio e Rodrigues, efetuou a prisão de um cidadão de nome Wagner Gasparino dos Santos, de 29 anos de idade, apontado como o autor de um assalto cometido contra um funcionário da empresa Mazza Fragolente, que é terceirizada pela Companhia Paulista de Força e Luz (CPFL) e funciona na Avenida Marginal, no Parque Marajoara, em frente a Rodovia João Hipólito Martins – Castelinho.

Após ser preso na região do Parque Marajoara em um matagal, Santos foi conduzido ao 3º Distrito Policial (DP), região da Cohab I e apresentado ao delegado Antenor de Jesus Zeque, onde prestou depoimento, sendo indiciado em crime de roubo e recolhido ? Cadeia Pública local. Alegou que havia cometido o roubo para comprar droga. Entre o crime e a captura do assaltante, a PM levou pouco mais de duas horas.

O crime

Esse assalto ocorreu nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira (11), contra o eletricista Francisco Osvaldo Painado, de 57 anos. Ele estava na cozinha preparando o café quando foi surpreendido por trás, por um elemento, que tentou cobrir seu rosto com uma blusa. Ele conseguiu se desvencilhar e percebeu que era um conhecido seu que trabalha na empresa e se chamava Wagner.

Entretanto, mesmo tendo sido reconhecido, o rapaz o agarrou por trás pelo pescoço, dando uma “gravata” e tentou tirar sua carteira. Ambos entraram em luta corporal, mas o marginal acabou conseguindo tirar a carteira do bolso da vítima e fugir em disparada.

“Quando vi quem era, pensei que fosse brincadeira, mas ele me deu uma gravata e começou a apertar meu pescoço com força, dizendo para entregar a carteira que estava no bolso de minha calça. Cheguei a lutar, mas ele era muito mais forte e levou vantagem. Também percebi que perto havia uma faca e parei de oferecer resistência, deixando que levasse minha carteira, que tinha R$ 240,00, para evitar um problema maior”, lembra Painado.

Segundo a vítima, antes do assalto ser consumado, ele havia presenciado Wagner caminhar pelo pátio interno do pátio da empresa. “Não sei o que deu na cabeça dele em me atacar daquele jeito. Felizmente, ninguém saiu ferido, pois dinheiro a gente consegue ganhar outro e a vida é uma só”, concluiu o funcionário.

Fotos: Valéria Cuter