DIG próxima de desvendar mistério de perna encontrada no Tietê

A Delegacia de Investigações Gerais (DIG) pode anunciar nas próximas horas o esclarecimento do mistério de uma perna de mulher, encontrada por pescadores no Rio Tietê, na Ponte do Jaú, na SP 191 Rodovia Geraldo Pereira de Barros, no último dia 3 de julho. A perna da mulher foi enterrada e nenhum outro membro foi encontrado embora a equipe de mergulhadores do Corpo de Bombeiros tenha vasculhado diferentes pontos do rio.

Isso porque na manhã desta segunda-feira uma mulher de nome Vera da Silva Greguer, de 59 anos, e seu irmão Mauro José da Silva, 63, estiveram na delegacia para fazer coleta de sangue para exame de DNA. A perna misteriosa pode ser da irmã de Vera, chamada Maria Helena da Silva de Oliveira(foto), de 60 anos de idade, que está desaparecida desde o dia 24 de junho. A vinda de familiares de Maria Helena havia sido adiantada pelo delegado titular da DIG, Celso Olindo, na sexta-feira da semana passada.

O mistério é tanto que até foi cogitada pelo próprio delegado da DIG a hipótese dessa perna ser de Eliza Samúdio ex- amante do goleiro Bruno, do Flamengo e fez com que Botucatu virasse manchete nacional, através do programa “A Tarde é Sua”, apresentado pela jornalista Sônia Abrão, na Rede TV.

“Essa hipótese da perna ser da Eliza foi realmente levantada, embora a possibilidade seja remota. Mas, numa investigação nada pode ser descartado. Agora a linha investigativa tem outro caminho com a possibilidade da perna pertencer a essa mulher chamada Maria Helena que está desaparecida desde dia 24 de junho”, comentou Olindo.

O DNA, continua o delegado, poderá comprovar se a perna encontrada por pescadores é mesmo dela (Maria Helena). “Vamos encaminhar o material coletado para São Paulo. Paralelo a isso estamos checando algumas pistas. Os irmãos garantem que a perna é mesmo de Maria Helena, mas isso será confirmado com 100% de certeza com o resultado do DNA. Nas próximas horas poderemos ter novidades”, destacou o delegado da DIG.

{n}Irmã garante: “Perna é de Maria Helena!”{/n}

Antes mesmo de fazer a coleta de sangue para o exame de DNA, Vera da Silva Greguer garantiu que a perna é de sua irmã desaparecida. “Não tenho dúvida, a perna é de Maria Helena. Eu sempre fazia as unhas dela. O tamanho do pé, o formato dos dedos, até as cores do esmalte é igual ao que ela usava. Tudo coincide”, destacou a mulher que mora em Cerqueira César e veio a Botucatu a pedido do delegado Celso Olindo especialmente para fazer o reconhecimento do membro e tirar sangue para o DNA.

Ela revela que a irmã era viúva e morava a dois anos no Jardim Eldorado, com um homem. “A gente se via sempre. A Maria Helena era uma pessoa reservada, calma e muito caseira. Ela conheceu um homem em Botucatu e há dois anos moravam juntos, mas não tenho muita ligação com ele”, disse. “Fico muito triste e aliviada ao mesmo tempo, pois há mais de um mês estamos procurando por ela, sem saber o que aconteceu. Espero que isso termine logo, pois tudo isso é muito sofrido para todos nós”, disse Vera.

Agora a suspeita recai sobre esse homem que morava com Maria Helena, já que não existe em nenhuma delegacia da cidade comunicando seu desaparecimento, fato que seria comum. “Não podemos adiantar nada nesse aspecto. Antes, precisamos ter a certeza de que a perna é mesmo de Maria Helena. Vamos, também, procurar ouvir esse homem que vivia com ela, pois poderá ser fundamental para o esclarecimento do caso. O nome dele será mantido em sigilo para não comprometer as investigações”, finalizou Celso Olindo, sem fornecer mais nenhum detalhe.

Fotos: Valéria Cuter/ divulgação