DIG prende trio que assaltou Posto Maranata

Um trabalho realizado pela equipe de policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) terminou com a prisão de três elementos apontados como autores de um roubo cometido contra o Auto Posto Maranata, instalado na Avenida Floriano Peixoto, região central da cidade.

Segundo o delegado Sérgio Castanheira, o trabalho teve início quando os policiais efetuaram a prisão de Luiz Ricardo Lira e Paulo Henrique Martins de Oliveira. Através deles, os investigadores chegaram ao terceiro elemento da quadrilha: Marco Aurélio de Queirós, que estava em um rancho no Bairro da Mina e seria membro de uma facção criminosa que age dentro dos presídios de São Paulo.

Dois deles (Paulo Henrique e Marco Aurélio) que renderam o frentista para roubar R$ 150,00, foram reconhecidos pela vítima e pela câmara de vídeo instalada no posto. O terceiro elemento (Luiz Ricardo) deu cobertura ao assalto aguardando os comparsas em um VW Fusca azul.

{bimg:7822:alt=interna1:bimg}

“O nosso trabalho investigativo nos levou a esses elementos que agora estão sendo investigados por participação em outros roubos na cidade. Um deles (Marco Queirós) é de São Paulo e especialista em roubos postos de gasolina. Estava em Botucatu visitando parentes”, ressaltou o delegado.

Segundo a autoridade policial civil, Queirós também revelou que, na ocasião do crime, eles não portavam nenhuma arma e apenas simularam estarem armados. “Tudo está sendo apurado e nós pedimos a prisão temporária dos três envolvidos que estão recolhidos ? Cadeia Pública para que o inquérito seja concluído”, acrescentou Castanheira.

Vale lembrar que numa operação da Polícia Militar, realizada um dia antes, quando ocorreu uma perseguição na Rodovia João Hipólito Martins – Castelinho, foi preso um cidadão de nome Ulisses Antônio, de 21 anos. Ao ser questionado teria dito ? Polícia Militar que havia participado desse roubo no Auto Posto Maranata.

{bimg:7823:alt=interna2:bimg}

“Na verdade ele disse que havia participado desse roubo por estar sob efeito da droga. Constatamos que este dado não confere. Na verdade ele não teve nenhuma participação nesse episódio, pois nenhum indício o coloca na cena do crime”, observou o delegado da DIG, Celso Olindo.

“Os próprios elementos presos descartam a participação de uma quarta pessoa no crime. O importante é que o crime foi esclarecido e agora outros roubos poderão ser elucidados”, complementou o delegado.