Caminhão/escola da DISE se deteriora no tempo

Fotos: Luiz Fernando

 

O caminhão/escola da Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (DISE), também chamado de Museu Itinerante, que já foi usado como projeto para educar o jovem sobre os malefícios das drogas, está se deteriorando com as intempéries do tempo no pátio da Botucatu Parking à espera de recursos para que possa entrar, novamente, em atividade.

Esse caminhão/baú é oriundo de uma apreensão de drogas feita anos atrás e se transformou em um verdadeiro parceiro da delegacia especializada na prevenção ao uso de drogas e era muito visitado por alunos da rede pública e privada, além de empresas e outras instituições.

Nele, estavam os tipos de “petrechos” usados por usuários para consumo de substâncias entorpecentes, além de uma exposição de órgãos afetados pelo consumo de drogas. Porém, por falta de investimentos e local adequado para guardar o caminhão ele acabou pátio de recolhimento de veículos.

O delegado adjunto da DISE, Paulo Buchignani, através desse caminhão itinerante, realizou muitas visitas a entidades e instituições, proferindo palestras no intuito de orientar os jovens sobres os malefícios que as drogas causam no organismo humano. O caminhão era, na verdade, um agente educador.

O delegado titular da DISE, Carlos Antônio Improta Julião Filho, lembra que já foi feito uma reforma no caminhão com a ajuda de empresários da cidade, mas por não ter local coberto para guardar, o veículo acabou sendo atacado pelo sol e chuva e voltou se deteriorar. “É necessário fazer uma avaliação técnica no veículo para ver se é possível fazer a restauração e encontrar um local adequado, com cobertura, para que não fique exposto ao tempo e se deteriore, novamente”, observou Julião Filho.

Ele enfatiza que a DISE realizava um trabalho de conscientização e de prevenção muito importante com a finalidade de tirar os jovens e as crianças do mundo das drogas – por meio de palestras, exposição de entorpecentes, armas de fogo, bebidas alcoólicas, entre outros produtos. “Somente com a união de forças, poderemos trazer de volta esse caminhão/baú para uso da coletividade”, concluiu o delegado.

O presidente da Câmara Municipal André Rogério Barbosa – Curumim,  adiantou que na primeira sessão legislativa de 2015, em fevereiro,  irá apresentar um  requerimento  para que esse assunto seja debatido com os demais vereadores da Casa e o caminhão volte a ser utilizado como instrumento educacional de prevenção contras as drogas.

“Acredito que existe a possibilidade de celebrar uma parceria envolvendo a Polícia Civil e as secretarias de Saúde, Educação e Segurança Pública para que o caminhão volte a atender a comunidade. Conheço o trabalho e já tive oportunidade de assistir palestra com o Dr. Paulo Buchignani. Entendo que uma mobilização deve se feita para que esse caminhão volte a ser utilizado”, colocou Curumim.