Criador contribui para livrar ave rara da extinção

O bicudo é um dos pássaros canoros mais valorizados do Brasil. Em razão do seu canto melodioso e alto valor comercial ele foi muito caçado e por muito pouco não foi levado á extinção. Atualmente, são raros os locais onde eles ainda são encontrados na natureza. Porém, alguns criadores conservacionistas optaram por criar essa ave em cativeiro.

Entre eles está o empresário Wagner Ribeiro Faria, que se especializou na criação desse pássaro em cativeiro e agora é reconhecido como um dos melhores criadores e é procurado por amantes dessa espécie de ave da região e até do estado. Ele também é criador de Azulões e agora adquiriu uma variedade grande de pássaros exóticos em razão de ter aberto sua loja “Natureza Viva”, no Jardim Paraíso.

”Na verdade o bicudo é um pássaro nobre e tem um canto melódico muito bonito. Esse canto é aperfeiçoado com CDs que são colocados quando as aves ainda estão se desenvolvendo (filhotes) e com o CD a gente pode aperfeiçoar o canto. Mas, mesmo assim, não é fácil conseguir uma ave que assimile todas as notas do canto. As que conseguem alcançam um valor de mercado considerável”, coloca Faria.

Ele revela que iniciou sua criação quase por acaso. “Eu tinha outras espécies de aves silvestres e adquiri um bicudo apenas para observar o seu canto. Depois consegui uma fêmea matriz e assim comecei a minha criação. Hoje tenho um plantel com diversas matrizes e machos de procedência”, conta o criador preservacionista, que já foi presidente da AOB – Associação Ornitológica de Botucatu.

“É importante enfocar que para criar bicudos, ou qualquer outro tipo de pássaro silvestre em cativeiro, é necessário que a pessoa se cadastre junto ao IBAMA (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Produtos Renováveis) e se regularize. Se não se cadastrar, poderá sofrer as penas previstas em lei que vão desde advertência, confisco dos pássaros irregulares, multas e, em alguns casos, até prisão, Por isso eu recomendo cautela. Criar pássaros é um hobby muito gratificante, mas o criador deve ter autorização para isso, para não ter problemas com a Polícia Ambiental”, orienta.

Outro alerta feito pelo criador é com relação ? caça ilegal. “Infelizmente ainda existem aqueles caçadores ilegais que se deslocam para locais de mata na zona rural e apreendem aves como azulão, trinca-ferro (picharro), pintassilgo, canário, entre outros. Caçar pássaros é crime. Quando fui presidente da AOB, sempre procurei conscientizar os sócios para evitar esse tipo de delito. Tirar pássaros do seu habitat natural é contravenção penal, pois pode levar espécies nativas ? extinção”, alerta Faria.

Atualmente Faria se dedica ao comércio. Inaugurou, recentemente, a loja “Natureza Viva”, onde comercializa, produtos para pesca, veterinária e de lazer, além de rações e sementes para alimentar pássaros e animais de estimação. “Eu divido o meu tempo entre a loja e minha criação. Este espaço foi feito para quem gosta de pássaros como eu. Quero fazer desse local o ponto de encontro entre criadores e passarinheiros de Botucatu e região. Em breve iremos montar aqui um despachante ambiental”, concluiu Faria.

Foto: Quico Cuter