Pós-graduandos da FCA recebem prêmio internacional

 

Os doutorandos Kassiano Felipe Rocha, do Programa de Pós-Graduação em Agronomia/Agricultura, e Richardson Barbosa Gomes da Silva, do Programa de Pós-Graduação em Ciência Florestal, estão no seleto grupo formado por dez premiados na América Latina, sendo seis brasileiros. A FCA foi a única instituição do país a ter dois alunos selecionados. Em 2014, o então doutorando Elialdo Alves de Souza, orientado pelo professor Ciro Antonio Rosolem conquistou a mesma premiação. Além de um certificado, cada premiado receberá o valor de 2 mil dólares.

O IPNI é uma organização respeitada no meio científico com programas ativos de divulgação e produção científica em todos os continentes, cujos principais temas de interesse são manejo sustentável da fertilização, clima, agroenergia, demanda alimentar, preservação dos ecossistemas, produção de fibras e inclusão dos países em desenvolvimento na produção de conhecimento agronômico, entre outros.

Todos os anos, pós-graduandos de vários países que trabalham com nutrição mineral de plantas e temas correlatos concorrem ao IPNI Scholar Award 2015. Os candidatos ao prêmio precisam prestar informações sobre sua trajetória acadêmica, a tese que desenvolvem e suas metas profissionais.

O prêmio destaca o trabalho de quem desenvolve pesquisas que apresentam afinidade com a missão do instituto, que é desenvolver e promover informações científicas sobre o manejo responsável dos nutrientes das plantas, considerando a crescente demanda mundial por alimentos, forragens, combustíveis, fibras e conservação dos ecossistemas.

Graduado em Agronomia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná, câmpus de Pato Branco, onde também fez seu mestrado, Kassiano está na FCA desde março de 2014. É orientado pelo professor Ciro Antonio Rosolem. Seu trabalho de pesquisa envolve dinâmica de nitrogênio em sistemas de produção.

Honrado por receber o prêmio, Kassiano está feliz com o momento que vive na FCA. “Fiquei muito lisonjeado. Sempre tive a pretensão vir para a Unesp para fazer meu doutorado. Receber o prêmio foi muito bom porque me faz ter certeza que tenho potencial para também contribuir com a Unesp, não apensas vir aqui estudar e ver o que a universidade pode me oferecer”. Ele também destacou o apoio dado pelo orientador. “Trabalhar com o professor Ciro é muito bom. Ele é bastante exigente e nos torna exigentes também. É um profissional dedicado, que sempre me abre portas e dá oportunidades”.

Perto de concluir seu doutorado, no qual trabalha com manejo hídrico, Richardson está na FCA desde o início da graduação, sempre orientado pela professora Magali Ribeiro da Silva. Ele também comemorou a conquista. “É muito legal receber essa valorização, não apenas para mim, mas também para a professora Magali que já vem trabalhando nessa área há tempos. Hoje, o prêmio me dá mais ânimo para seguir trabalhando. No futuro, espero que faça diferença no meu currículo ampliando as possibilidades profissionais”. A carta que Richardson recebeu do IPNI informando sobre a premiação destacou que esta edição do prêmio foi muito concorrida. “Isso só valoriza a nossa conquista”.

A professora Magali reafirma a importância do reconhecimento proporcionado pela láurea. “Sempre queremos ver nossos orientados em destaque. Esse prêmio coroa o caminho que ele vem traçando com muita seriedade e determinação. Fiquei muito feliz. É uma finalização com chave de ouro nessa trajetória de aluno, que foi tão bem conduzida ao longo desse período todo”. Ela também manifestou sua esperança de que o feito de Richardson e Kassiano inspire outros pós-graduandos. “As vezes sinto que falta ao nosso aluno essa busca pela sua valorização. Espero que esse prêmio estimule outros bons alunos que temos aqui. Esses resultados são importantes para a FCA e seus programas de pós-graduação”.

O professor Rosolem ressaltou o prestígio que o reconhecimento do IPNI traz. “É uma instituição presente no mundo todo. O prêmio é divulgado internacionalmente, através do site do IPNI e de suas publicações impressas, que são recebidas por pesquisadores do mundo inteiro, elevando o nome da nossa FCA. Isso é motivo de muito orgulho para nós. É um atestado internacional de que estamos fazendo bons trabalhos. E para a carreira desses alunos, nada melhor do que uma avaliação externa isenta. É uma conquista muito importante”.

Da: Assessoria de Imprensa