TUDO SOBRE A BIBLIA Nº61

A Paz do Senhor! Ano do Senhor de Dois Mil e Dezesseis; precisamente aos 4 dias do mês de janeiro. Os dias são maus e a sociedade vai se afundando nas densas trevas, sob o domínio das forças contrárias a tudo que se chama bom. É inserida nesse contexto que está a igreja de Cristo; lavada e remida no sangue do cordeiro. Um vento passa de um lado e Zéfiro vem ao seu encontro oferecendo um confronto de proporções assustadoras; mas, como ninguém vê o vento este combate não pode ser visto, apenas sentido. Poucos vêm o invisível e muitos dentre esses poucos não sabem o que fazer neste embate. Ciência, filosofia e humanismo querem assumir o terreno pertencente a religião pelos hipócritas dito não praticada. Religião que age como um balsamo  curativo na moral e ética social sendo mais que necessária à nossa coletividade. Assim prossigamos em nossa análise conhecendo Tudo Sobre a Bíblia em Gênesis capítulo 2 e verso 24, que diz: “Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá a sua mulher, e eles se tornarão uma só carne.”[Bíblia do Ministro – NVI] Observemos a sequencial do raciocínio a respeito do matrimônio trazido através do registro mosaico a qual acabamos de ler e alimentar nossas almas. “Por essa razão”; temos aqui uma condicional resultante. A determinação divinal com respeito a multiplicação e povoamento do planeta estava condicionada e resultaria em o homem deixar seus pais. Não mais estar na dependência financeira, moral, e de moradia. E a sua união era com a sua mulher. Não diz união de dois homens, não diz união de duas mulheres; não diz união um homem com muitas mulheres. Não diz ainda união entre um casal para morar na casa do pai ou da mãe. A determinação é clara além de deixar a casa paterna e apenas ter uma única mulher como sua esposa; deveriam ser uma só carne. O sentido não é alegórico ou figurado. A união física entre o casal daria a continuidade a espécie humana povoando a Terra. Deus quando determinou esse registro não estava preocupado com arranjos familiares, nem com uniões homo afetivas. A coletividade a cada milênio vai se adaptando a cultura dominante e ao seu meio; mas, a determinação divinal permanece a mesma. Opções são um direito que assiste ao ser humano em utilização de seu livre arbítrio; mas, o decreto divino é soberano sobre aqueles que habitam sobre a Terra e creem em Deus servindo-o com fidelidade. Mesmo imperfeitos devemos seguir a determinação divina. Um casamento segundo os padrões cristãos; abençoado por Deus.

 

Murilo Mendes Maciel é Pastor – CGADB nº74041; Dirigente Local da Assembleia de Deus Ipiranga Conchas – Setor de Botucatu; Teólogo credenciado pelo CEC-CGADB; Doutor em Teologia (FATECBA); Mestre em Teologia (FATUN); Especialista em Capelania (FATUN) e Bacharel em Teologia (FATEFI). E-mail: murilo.mendes.maciel1@gmail.com