Sempre aturdido…

Acho incrível as atitudes das pessoas e cada vez mais me surpreendo com tudo aquilo que acontece ao meu redor, comigo e com os demais…

 

Somos deveras insatisfeitos; cheios de manias e queremos que o mundo gire a nosso favor, nem que para isso machuquemos quem está por perto…

 

Somos por vezes tão enfadonhos que jogamos fora de nossas relações aqueles que nos ajudam e que nos estendem as mãos…

 

Por qualquer coisa já queremos desistir nos sentindo humilhados ou sei lá o que…

 

Porque os problemas assolam nosso caminho já nos sentimos fracos e achamos melhor ficar olhando para trás como a mulher de Lot da Bíblia que acabou se tornando uma estátua de sal porque olhou para onde não devia… Olhou para trás… E gosto de pensar que quem anda de lado é caranguejo e as águas não voltam… Somente passam e se vão.

 

Nós seres humanos por vezes parecemos mais animais irracionais que todos os “bichos” e, sem querer ou querendo ser os donos do mundo acabamos por nos meter na vida dos outros e destruímos sem o menor pudor as coisas e as pessoas boas que a vida nos dá.

Quando vejo ou ouço as coisas que se fazem para alcançar a própria realização me assusto ainda e me pergunto o motivo de sermos assim… Pena que a resposta não me vem à tona assim como os questionamentos.

Quantas vezes nos debatemos conosco mesmos deixando que aflore nosso mal… Aquela parcela que é tão pequena é alimentada por um negativismo, ou sei lá que nome,  que nos leva a sermos o polo negativo da humanidade quando poderíamos fazer tanto pelo mundo.

O mundo vai passando e, como conversava com algumas pessoas da ASFA (Associação Sagrada Família), conseguimos fazer as coisas mais loucas e destruímos todo o bem que poderíamos fazer por meros trocados de ingratidão ou sei lá que nome dar a toda parte ruim que acabamos por cometer.

Bem sei que este texto deveria ajudar a você e a mim a sabermos, ou termos ao menos, algo para começar a luta por um mundo melhor de se viver, mas o que eu quero é alertar a que nos abramos a melhorar nossa forma de vida antes que seja tarde demais e saibamos que nossas meras intrigas não nos levam a nada a não ser à solidão que nós mesmos semeamos em nossa peregrinar terrestre.

Precisamos nos lembrar de que a vida é uma só aqui nesta terra e que colhemos o que plantamos como conversava com o homem forte “seu” Dorini quando da viagem de volta de sua amada Inês.

Não paremos nos degraus de baixo da vida, mas subamos cada vez mais os degraus da vida nova e fortalecida pelos nossos gestos positivos e salutares.

Não deixemos nos abater pela preguiça ou pelo orgulho que nos faz pessoas tão amargas que não consigamos ser amados, mas sim temidos senão pelo poder (temporal), mas pela função que temos e que é temporária… Pois tudo aqui é temporário…

Bom, com um beijo de Jesus, pelos lábios de Maria e no abraço do Grande José…

Eu, ainda aturdido…

 

Pe. Delair Cuerva,fmdp