Dora a aventureira

               Uma moça que me relatou uma viagem emocionante na terra dos portugueses, aliás, fiquei impressionada com a idade da mesma tão jovem e aventureira e a sua determinação e tudo começou com uma colega que também se inspira em ganhar dinheiro longe do nosso Brasil.

                As duas embarcam cada uma com uma quantia, Dora com aproximadamente trezentos euros a família da amiga que arrumou o dinheiro da passagem de Dora, vão até Portugal na época de temporada de trabalho renumerado em restaurantes e lá ficam uns meses, sua aventura acaba quando acaba o contrato temporário termina a amiga volta pra casa, pois a mãe vai até o país e a resgata, e a Dora fica.

                Aí começam as dificuldades, a primeira, onde ficar? Onde morar? Uma agencia de empregos indica um casal comerciante de vinhos, donos de vinícola, assim a hospedam de Dora está garantida, a mesma fica sozinha em uma casa grande, bonita, lá ela lava, passa, cozinha e nos fins de semana entrega garrafões de vinhos e caixas, que adolescente escrava essa Dora foi e enfim numa bela tarde de sol o seu patrão a assedia, e sem ter para onde ir ela faz as malas ao rumo inesperado. Sozinha triste com uma mala na mão e o dinheiro que poupou já nem era suficiente, liga para alguém que a hospeda.

                Quando esteve na capital conhece o seu primeiro amor, um namorado que trocou uns olhares e beijos, até que ele acolhe a Dora, ficando na casa de seu irmão com mais três filhos, a mulher e enfim, a vida segue, agora longe de ser domestica e entregadora, arruma um bom trabalho finalmente, em uma agência de turismo, claro que em troca da hospedagem a Dora também ajuda nos serviços domésticos, cuida da limpeza, ajuda com as crianças…

                Às vezes a pessoa que me relatou isso dá uma olhada longe, lembrando acho que dos momentos bons, devem ter sido os momentos que passou ao lado de Manuel, não notei brilho nem sorriso ao dizer ele ficou lá, eu voltei pro Brasil. Um amor perdido talvez, ou uma ilusão de uma adolescente que desde então deixou sua terra como tantos outros jovens que se aventuram nos países Europeus, Estados Unidos e Japão. São casos e mais casos de pessoas que buscam o que muitas vezes não tem aqui. Uma oportunidade, um trabalho que edifica ou algo que completa. 

                Inspirada no dia do trabalhador que logo na próxima semana, vai a dica: Trabalhe no seu país, se puder ou tiver oportunidades fora daqui seja precavido, guarde o dinheiro da passagem pra retornar quando tiver cansado e desiludo.

 

Email: rose.nakamura.colunista@outlook.com