A Poeta e o Sol

"Por que surgiste, sol?"
Indaga a poeta sonhadora…
"Vistes despertar minha realidade triste e distante de meus sentimentos?
Por que apareceste em meio as minhas ilusões que me fazem feliz?
Por que me despertaste para a vida sombria,
que esqueço, quando a madrugada enluarada me acalenta?
O poeta gosta de solidão, negro céu apenas salpicado de estrelas.
 
Poeta ama a lua, ora nua, ora escondida…
Mas ama a lua!
Que queres de mim? Por que esmagas meus versos e rimas
nesta manhã brilhante que acaba de acontecer com tua presença?
Não vê que sem você, meus versos são repletos de dor, magia e amor?
Vai embora, Sol!
Não te quero perto de mim. Preciso da solidão e da amiga lua
para embalarem meus poemas…"
 
Calmamente o sol respondeu…
"Amiga poeta, tu é sonho dos amantes nas noites solitária…
Eu sou vida que acalenta os apaixonados.
Vai dormir…
Agora é minha vez de aquecer os corações
nesta manhã radiante e feliz!
Vai dormir, poeta!
O dia está lindo. Vai dormir…" 
 
Jenifer de Almeida Donida
Jornalista – Poeta – Presidente da A.P.E.B – Associação de Poetas e Escritores de Botucatu