Prefeitura de Botucatu construirá mais de 200 rampas de acessibilidade e adequará calçadas da av. Dom Lúcio

CONSTRUÇÃO DE RAMPAS DE ACESSIBILIDADE - FOTO IGOR MEDEIROS (21) (Custom)Vítima de paralisia infantil com 1 ano e 9 meses, Aílton Rodrigues de Souza [hoje com 56], não sabe o que é uma vida fora da cadeira de rodas. Divide sua rotina entre vender balas na Rua Amando de Barros, principal corredor comercial de Botucatu, e as atribuições de presidente do Conselho Municipal do Transporte Público. No entanto, afirma que a fase de lamentação já passou. “Hoje busco viver a vida com mais determinação e coragem para ver onde posso melhorar como pessoa e a Cidade onde vivo”, afirma.

Ele e outras pessoas com mobilidade reduzida agora tem motivos extras para ter esperança numa Cidade cada vez mais inclusiva. Isso porque a Prefeitura de Botucatu começou a construção de mais de 200 novas rampas de acessibilidade por todo Município. Isso inclui calçadas que oferecem acesso a entidades de atendimento às pessoas com deficiência, unidades de saúde, escolas, praças, pontos de ônibus e outras instituições [públicas e privadas] que prestam serviço ao grande público, como bancos e a própria agência do INSS.

CONSTRUÇÃO DE RAMPAS DE ACESSIBILIDADE - FOTO IGOR MEDEIROS (42) (Custom)Também está incluso a readequação das calçadas da Avenida Dom Lúcio, que ganhará piso intertravado, do tipo drenante e antiderrapante, além de piso tátil para deficientes visuais, como tem sido utilizado na revitalização da Rua Amando de Barros. O investimento do Poder Público Municipal nessas obras de acessibilidade é de R$ 571,5 mil. Grande parte deste recurso é fruto de emenda parlamentar viabilizada pela deputada federal Mara Gabrili, junto ao Ministério das Cidades. O restante é contrapartida da Prefeitura. Os serviços são executados pela Paicheco São Manuel Construções LTDA, empresa vencedora do processo licitatório.

“Esta obra tem por objetivo adequar o passeio público para o deslocamento das pessoas com deficiência, idosos, além de mães com crianças ou carrinhos de bebê. Uma forma prática de promover respeito aos direitos de todos. Mais um passo para transformamos nossa cidade em um espaço cada vez mais inclusivo e adequado às condições de todos os cidadãos”, argumenta o secretário municipal de Políticas de Inclusão, Paulo Malagutte.

CONSTRUÇÃO DE RAMPAS DE ACESSIBILIDADE - FOTO IGOR MEDEIROS (3) (Custom)Esta é mais uma ação dentro do Plano Emergencial de Calçadas (PEC), em vigor desde 2014 em Botucatu, e no qual autoriza o Poder Público a executar intervenções como reformas ou construções de calçadas que não atendam as normas de acessibilidade. Por outro lado, a lei não tira a responsabilidade do proprietário do imóvel em manter o passeio público em perfeito estado de conservação.

“Antes a Prefeitura, por lei, ficava engessada em promover melhorias nas calçadas onde, a priori, a responsabilidade é sempre do proprietário do terreno. Com o Plano Emergencial de Calçadas esse horizonte ganhou novas perspectivas pois possibilita que o Poder Público intervenha, especialmente nos trechos com maior circulação de pessoas. No fim, trata-se de uma mão de via dupla. Ao mesmo tempo que o Município precisa se planejar e continuar os investimentos em tornar a cidade cada vez mais acessível, cada munícipe tem o dever de manter a calçada em frente à sua casa ou empresa”, complementa Malagutte.

Para Aílton Rodrigues, apesar de entender que muito ainda precisa ser feito para que a Cidade alcance um patamar de excelência quanto à acessibilidade, é notório o avanço de Botucatu nos últimos sete anos. “Em comparação ao que era, está ótimo. A verdade é que Botucatu sofreu por décadas sem investimentos nessa área. Se cada prefeito tivesse feito sua parte, lá atrás, talvez estivéssemos em um estágio ainda melhor”, argumenta.

Obras como a construção de rampas de acessibilidade e adequação de calçadas atendem cada vez mais uma parcela importante da sociedade. Em Botucatu, por exemplo, existem cerca de 17 mil idosos, mais de 8 mil pessoas com algum grau de deficiência motora, além de outros 16 mil que apresentam algum grau de deficiência visual. Somados ainda o número de pessoas com deficiência auditiva (5,7 mil) e intelectual (1,6 mil), Botucatu contabiliza, de acordo com o censo do IBGE, uma população de 32,7 mil pessoas que apresentam algum grau de deficiência. Hoje a população total estimada do Município é de aproximadamente 140 mil.