Prefeito negocia em Brasília obras no aeroporto

O prefeito de Botucatu, João Cury Neto; acompanhado do secretário municipal de Governo, Caco Colenci e do presidente da Copel (Comissão Permanente de Licitações), Carlos Eduardo Speltri, esteve em Brasília, na Secretaria de Aviação Civil (SAC) da Presidência da República, participando de mais uma audiência para tratar de investimentos que deverão acontecer no aeroporto municipal “Dr. Tancredo Neves”. 

O município foi incluído na lista dos primeiros aeroportos que serão contemplados pelo Programa de Aviação Regional lançado em dezembro de 2012 pelo Governo Federal. Para fortalecer e ampliar a malha de aeroportos regionais, o Governo Federal vai investir R$ 7,3 bilhões na primeira fase do programa, em que estão contemplados 270 aeroportos. As medidas permitirão aperfeiçoar a qualidade do serviço prestado ao passageiro, agregar novos aeroportos à rede de transporte aéreo regular e aumentar o número de rotas operadas pelas empresas aéreas.

A inclusão de Botucatu na lista das prioridades é fruto do processo de municipalização do aeroporto local. “A municipalização do aeroporto de Botucatu foi um ato de coragem e de ousadia. Pelos próximos anos não havia previsão de investimentos do DAESP (Departamento Aeroviário do Estado de São Paulo), que até então era responsável por administrá-lo. Sabemos o que o aeroporto representa para o desenvolvimento da cidade. Assumimos uma grande responsabilidade de buscar investimentos para esse modal de transporte, que deverá se transformar em um vetor de desenvolvimento para a região”, comentou João Cury.

Como a Prefeitura não tinha condições de fazer investimentos apenas com recursos do município, o secretário Caco Colenci e o administrador do aeroporto, Paulo Renato da Silva trabalharam na elaboração de um projeto de desenvolvimento para o aeroporto que foi apresentado em Brasília. 

Além da localização privilegiada e da boa estrutura do aeroporto Tancredo Neves, Botucatu saiu na frente das demais cidades por ter sido a primeira a apresentar um Plano Diretor de Desenvolvimento Aeroportuário que prevê ações de curto, médio e longo prazo que vão ao encontro do plano de fortalecimento e ampliação da malha de aeroportos regionais. As medidas permitirão aperfeiçoar a qualidade do serviço prestado ao passageiro, agregar novos aeroportos à rede de transporte aéreo regular, além de aumentar o número de rotas operadas pelas empresas aéreas.

“Botucatu foi o primeiro a apresentar projeto de ampliação. Um plano de ação que projeta investimentos estratégicos para o aeroporto. Estamos aguardando a liberação dos recursos para que o aeroporto seja transformado em um marco referencial para o desenvolvimento da cidade”, coloca o secretário de Governo, Carlos Eduardo Colenci.

No processo de construção de um ambiente favorável à inclusão de Botucatu entre as prioridades para o plano de expansão de aviação regional do Governo Federal, em várias ocasiões o administrador do aeroporto, Paulo Renato da Silva, ouviu comentários positivos dos técnicos de várias áreas que estiverem com frequência na cidade para fazer levantamentos e produzir relatórios, para demonstrar o potencial para aviação de passageiros, de carga e para exploração industrial. 

“Os técnicos disseram que pelos dados levantados e pela situação aqui encontrada, Botucatu tem condições de receber grandes investimentos. Um diferencial nosso é o fato de abrigar a Embraer, empresa de grande porte e reconhecida internacionalmente. Isso atrai os olhos dos investidores para Botucatu. O município teve o cuidado de elaborar um bom projeto e não há impedimento para a expansão do aeroporto. Fomos a primeira cidade do Brasil a apresentar um plano na Secretaria de Aviação Civil (SAC). Fomos além da manifestação do nosso interesse em receber investimentos. Demonstramos que temos um planejamento e um projeto para o aeroporto”, salienta Silva. 

A perspectiva é que o aeroporto local receba investimentos na construção de um terminal de passageiros, com cerca de 1.200 metros quadrados, reforço da pista, ampliação da área de escape, taxi way, ampliação e reforço do pátio com oito posições para estacionamento de aeronaves, instalação de instrumental para voos noturnos, brigada de incêndio, além de novo acesso pela rodovia João Hipólito Martins (Castelinho). Com essas modificações o aeródromo de Botucatu passará a ser classificado na categoria 3C que autoriza o pouso e decolagens de aeronaves de grande porte como o Airbus 319, com capacidade para mais de 120 passageiros. 

De acordo com os representantes da SAC, no prazo máximo de 60 dias deverá ser apresentado o projeto final com as melhorias propostas para o aeroporto de Botucatu e o custo desses investimentos.  “Estaremos em condições de sermos contemplados com uma linha comercial para voos domésticos. Isso é importante porque coloca Botucatu em situação privilegiada”, prevê Cury.