Obras de modernização do Mercado Municipal avançam em ritmo acelerado

A marreta quebrando os tijolos. O maçarico dando forma final às estruturas metálicas. Novas janelas abrindo espaço para a entrada da luz do sol. Antigas paredes demolidas. Outras sendo erguidas. Aos poucos, o passado de abandono vai ficando para trás e começa a ganhar novas formas, com contornos mais modernos, o cinquentenário prédio do Mercado Municipal “Vereador Progresso Garcia”, na região central da Cidade.

A obra de recuperação do imóvel, com custo de cerca de R$ 2 milhões, viabilizada pela Prefeitura de Botucatu e financiada pela Desenvolve SP, agência de fomento do Estado de São Paulo, permitirá a revitalização de uma das principais construções da metade do século passado, que desde a sua inauguração, em 1962, nunca havia passado por uma grande reforma.

A ação do tempo foi impiedosa com anos de tamanha indiferença. O tradicional “Mercadão” transformou-se em um ambiente escuro, feio, insalubre, com imensas dificuldades de acesso. Situação que aos poucos foi afugentando as pessoas, tornando os corredores e espaços para comercialização de produtos cada vez mais tristes e vazios. Os comerciantes que bravamente resistiram e os consumidores que, mesmo em condições adversas nunca deixaram de frequentar o espaço, há anos clamavam por investimentos que recuperassem a vitalidade do principal ponto de comercialização de produtos hortifrúti da cidade.

Convencido de que era preciso investir na modernização do prédio, o prefeito João Cury foi em busca dos recursos necessários para uma remodelação completa do local. Através de processo licitatório, a Construtora Reobote e Projetos Ltda. EPP foi contratada para execução das obras, iniciadas em meados de fevereiro. Os trabalhos avançam em ritmo acelerado e a previsão é que o térreo e o primeiro pavimento onde serão instalados os boxes para comercialização de produtos, sejam inaugurados em meados de setembro. A última etapa será a instalação da agroindústria no pavimento superior com recepção, vestiário, sala de recepção de matéria prima, sala de processamento e expedição.

Todos os projetos foram elaborados pela Secretaria de Planejamento e envolvem a modernização dos sistemas de hidráulica, elétrica, esgoto, telefonia, informática, revestimento e piso. As obras permitirão a otimização dos espaços, criação de boxes maiores, praça central de alimentação, ampliação dos banheiros, instalação de elevador para garantir acessibilidade, melhoria no acesso e estacionamento, criação de um novo mezanino com salão aberto que permitirá ao espaço receber eventos artístico-culturais. As características originais do prédio serão preservadas, mas a ideia é promover uma profunda modernização no “Mercadão”.

Avaliação – De acordo com o secretário municipal de Planejamento, Nelson Lara, a recuperação do prédio tem evoluído em um bom ritmo. “Obra de reforma e adequação, cada vez que mexe em algum lugar, tem uma surpresa. Mas os trabalhos seguem em boa velocidade. A empresa já avançou na colocação das esquadrias com vidros blindex. No andar superior a parte civil está praticamente concluída. Estamos entrando agora com a elétrica, hidráulica e rede de gás. Estive reunido com o Corpo de Bombeiros e já vamos soltar a tubulação de prevenção e combate a incêndio. Em seguida vamos passar para a parte de baixo para rede subterrânea de água e esgoto e soltar o contra piso. Nossa expectativa é que até setembro a obra esteja concluída”, declara.

Nas reuniões e conversas com os permissionários, que foram transferidos temporariamente para uma área adaptada dentro do próprio Mercadão, a preocupação é que a entrega da obra aconteça o mais breve possível. Todos apostam que a revitalização fará com que, de imediato, o movimento de clientes cresça bastante. “O movimento caiu em função da mudança e da própria situação da economia. Estamos esperançosos em cumprir o prazo e até setembro mudá-los para as novas instalações e em seguida concluir a última etapa que é a instalação da agroindústria”, explica Lara.

Questionado sobre as principais melhorias que a reforma do Mercado Municipal trará para comerciantes e consumidores, o secretário aponta: a separação por pavimentos do setor de hortifrúti (térreo) e da praça de alimentação (primeiro andar); melhoria do sistema de exaustão; modernização de todos os sanitários, implantação de rampas e elevador para garantir condições de acessibilidade. Além disso, a Secretaria de Administração trabalha na minuta de um regimento interno de uso, que definirá as regras de utilização do Mercadão, tendo a preocupação de garantir que os corredores fiquem liberados para circulação.

“Costumo frequentar o Mercadão aos domingos. Mesmo nas condições precárias em que se encontra, ainda há movimento. Com a modernização a frequência tende a aumentar muito. Depois de concluído e entregue vamos ter um ponto bastante atrativo para toda a comunidade botucatuense. Já tive conversas com o prefeito a respeito da necessidade de ampliar o número de vagas de estacionamento. Mas isso dependerá de desapropriações de imóveis antigos localizados na vizinhança. Este investimento deve ficar para o próximo governo. Agora vamos demolir a antiga da casa do administrador e com isso vamos ganhar mais algumas vagas”, adianta Lara.

Questionado sobre a importância de estar diretamente envolvido com a recuperação de um espaço tão simbólico para a cidade, o secretário diz que se sente gratificado. “Trata-se de um prédio da década de sessenta, que nunca recebeu uma atenção especial quanto a sua manutenção. Como profissional da área de engenharia é muito gratificante estar recuperando um espaço físico como esse. É algo muito positivo para a cidade”.

Na galeria de fotos de seu celular, o encarregado da obra, Roberto Paulo Ferreira, guarda como uma relíquia centenas de imagens com a evolução da reforma do Mercado Municipal. Detalhe por detalhe é possível verificar o quanto os serviços avançaram desde a autorização oficial no fim de 2015. 

“Até o momento já realizamos a maior parte das demolições. Estamos na fase de concretagem, regularização e estrutura. Vamos entrar na fase de acabamento. Externamente começamos a pintura, já foram instaladas as esquadrias de vidro e trabalhamos na estrutura metálica da rampa de entrada. Nossa previsão é entregar a parte térrea e o primeiro pavimento, onde os permissionários serão instalados, no prazo de três meses para que a prefeitura tome as providências para inauguração”, anuncia.

Segundo ele, o estágio da obra só não está mais avançado em razão da transferência dos comerciantes e pequenas alterações no projeto propostas por eles. Segundo Ferreira, apesar de antigo, o prédio do Mercadão apresenta condições estruturais muito boas. “O material demolido antigo era de grande espessura. Toda demolição tivemos que fazer manualmente. Nossa maior dificuldade é trabalhar com uma estrutura já existente. Nem tudo pode ser derrubado. Mas temos certeza que o prédio ficará muito bonito”, prevê.      

(Ass. de Imprensa da Prefeitura)