Festa e reflexão marcaram Dia Nacional da Consciência Negra

Dois dias de eventos variados e muita reflexão. Assim Botucatu comemorou neste final de semana (sábado e domingo) o Dia Nacional da Consciência Negra, que é celebrado, mundialmente, em 20 de novembro, tendo como objetivo principal discutir a inserção do negro na sociedade brasileira e o preconceito racial. A data foi escolhida por coincidir com a morte de “Zumbi dos Palmares”, em 1695. Por esse motivo, o Dia da Consciência Negra é para lembrar a resistência do negro ? escravidão de forma geral, desde o primeiro transporte de africanos para o solo brasileiro, em 1594.

Conceição Vercesi, assessora de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Prefeitura Municipal e representante Movimento Brasil Afirmativo em Botucatu, salienta que foram programados diversos eventos alusivos ? data. “Estes eventos tiveram uma orientação comemorativa, mas também foram voltados a afirmação da consciência política étnico racial e da reivindicação dos direitos da população afrobrasileira”, pregou Vercesi.

A comemoração começou dia 19 (sábado), no início da tarde, com o encontro da comunidade negra no Largo da Igreja São Benedito, em frente a Rua João Passos, região central da Cidade, que realizou uma marcha pela Rua Amando de Barros, até o Teatro Municipal Camillo Fernandez Dinucci, na Praça Coronel Moura – Paratodos. O trajeto foi acompanhado ao som do batuque tradicional do maracatu.

Já no dia 20 (domingo), a partir das 13 horas, as comemorações aconteceram na Praça dos Abolicionistas, que fica no Jardim Paraíso, entre as Ruas José Barbosa de Barros e Atílio Losi. No local aconteceu o ato solene em comemoração ao Dia da Consciência Negra. Em seguida, houve manifestações culturais, campanha da saúde da população negra, além de muita música com animação de grupos de pagode de Botucatu, tendo como mestre de cerimônia, Benê Santos. O prefeito João Cury Neto marcou presença e fez um discurso alusivo ? data.

Para a presidente da Comunidade Negra de Botucatu, Terezinha Berchior esta é uma data importante para o País, já que fomenta o incentivo ao debate sobre a igualdade. “É uma manifestação onde promovemos palestras, atividades educativas e culturais, além da marcha com o intuito de alertar sobre o preconceito. O importante é que percebemos que os eventos tiveram participação de diferentes segmentos sociais de Botucatu”, colocou Berchior.

Destaca que também fez parte das comemorações, manifestos com o intuito de desenvolver do auto-preconceito, ou seja, da inferiorização perante a sociedade. “Outros temas debatidos pela comunidade negra também ganharam evidência neste dia, como a inserção do negro no mercado de trabalho; cotas universitárias; se há discriminação por parte da polícia; identificação de etnias; moda e beleza negra”, disse a presidente.

Fotos: Valéria Cuter