Empresa assina protocolo para o Parque Tecnológico

O prefeito de Botucatu, João Cury Neto, assinou na manhã desta terça-feira (25) o protocolo de intenções para a instalação da primeira empresa no Parque Tecnológico. Trata-se da WPS, que representa, na América do Sul (a exceção de Chile e Argentina), a empresa alemã Würtz, líder mundial na fabricação de aditivos para a fabricação de painéis de madeira.

A intenção é que a Würtz venha a se fixar no Brasil, com sala e laboratório de pesquisa e desenvolvimento a ser disponibilizado no Parque Tecnológico de Botucatu. Também está nos planos da empresa a construção de uma unidade fabril na Cidade, sem local ainda definido. Além da Alemanha, a Würtz também possui unidades nos Estados Unidos e China.

Segundo Henrique Perosa Zanin, sócio-diretor da WPS, os produtos da Würtz são credenciados pela Abipa (Associação Brasileira da Indústria de Painéis de Madeira) e já tem tido bastante aceitação no território nacional. “É um tipo de aditivo que aumenta as performances das linhas de fabricação, reduzindo o consumo de rezina e emissão de gases poluentes, sendo assim ambientalmente correto”, garante.

O secretário adjunto de Ciência e Tecnologia de Botucatu, Carlos Costa, informa que no próximo mês de abril seja lançado o edital de chamamento para as empresas interessadas em se instalar no complexo, lista a qual a Würtz faz parte. “As obras estão bastante adiantadas e a WPS/Würtz poderá ser a primeira empresa a formalizar contrato para instalação no Parque Tecnológico na sua inauguração, que deverá ocorrer ainda neste primeiro semestre”, explica.

O prefeito João Cury Neto garante que todas as expectativas depositadas com a criação do Parque Tecnológico já estão sendo correspondidas. De acordo com ele, este protocolo de intenções é o primeiro fruto de uma política estratégica de atração de negócios pensada para o Parque Tecnológico, que certamente será um marco para o desenvolvimento local e regional, com a instalação de empresas tecnológicas ambientalmente corretas, geradoras de receita e emprego ao Município. “Botucatu, que já é um polo de pesquisa universitária, será reconhecida ainda mais pelos projetos de inovação industrial de ponta que irão surgir neste Parqtec, que transformará conhecimento em riqueza”, salienta.

{n}Sobre o Parque Tecnológico{/n}

O Parque Tecnológico de Botucatu será voltado ao desenvolvimento de novos produtos e serviços nas áreas de bioprocessos, biotecnologia, meio ambiente, produtos florestais, produtos naturais da fauna e da flora, tecnologias sociais e logística. Ele está ? s margens da Rodovia Gastão Dal Farra (km 7), em uma área de mais de 280 mil metros quadrados, dotado de infraestrutura completa.

O prédio central do complexo terá 1.800 m² e contará com salas de reunião, salas de treinamento, instalações para diretoria, secretaria, administração, compras, manutenção, salas de espera, recepção, copa, sanitários, área de atendimento, hall, dois anfiteatros e auditório para 190 pessoas. Serão disponibilizados 18 terrenos de aproximadamente 1.500 metros quadrados e 16 salas no núcleo para escritórios especializados.

Botucatu faz parte das 14 iniciativas com pré-credenciamento na Rede Paulista de Parques Tecnológicos. São José dos Campos, Sorocaba, Ribeirão Preto, Piracicaba, Santos e São Carlos já têm seus parques tecnológicos em funcionamento. De acordo com a Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), Brasil conta com 400 incubadoras de empresas e cerca de 90 iniciativas de parques tecnológicos.