Coleta de lixo opera com apenas 30% de sua capacidade

“Se a greve persistir, a Prefeitura irá assumir, temporariamente, o serviço de coleta de lixo para que a população não seja prejudicada. Mas, enquanto a situação não estiver estabilizada, pedimos que a população não coloque os sacos de lixo nas calçadas”.

Foi esse o comentário do secretário de Obras da Prefeitura Municipal de Botucatu, André Peres, sobre a greve dos funcionários da empresa Monte Azul, responsável pela coleta de lixo, varrição e capinação na Cidade que reivindica aumento de salários e melhores condições de trabalho.  Movimento foi iniciado na manhã desta segunda-feira.

Peres ressalta que os funcionários deixaram de cumprir o prazo de anunciar a greve 48 horas antes de sua deflagração e isso pode fazer com que seja considerada ilegal. O Poder Público já notificou a empresa para que retome aos trabalhos no prazo de 24 horas. Caso esta ordem não seja obedecida, a empresa poderá ser multada ou mesmo ter seu contrato reincidido

“Numa reunião realizada na manhã desta terça-feira entre a empresa, Prefeitura e representantes dos funcionários ficou definido que 30% dos funcionários irão fazer a coleta na região central da cidade. Mas queremos que esse impasse seja resolvido o mais rápido possível. Por isso estamos atentos e acompanhando essa negociação”, disse  o secretário de Obras.

Peres ressalta que a limpeza pública é um serviço essencial de interesse coletivo, e que não pode ser interrompido da maneira que foi, sem ao menos 30% do efetivo de trabalhadores continuarem a fazer a coleta de lixo de forma emergencial. “Infelizmente quem sofre com este tipo de atitude é a população. Mas ela pode ter a certeza que a Prefeitura já está tomando todas as medidas para que tudo seja normalizado o quanto antes”, afirma o secretário municipal de Obras, André Peres.