Chuva causa transtornos aos moradores de Piapara

Moradores que se utilizam da estrada vicinal Elias Alves, que liga Botucatu ao Bairro do Piapara estão inconformados com a situação em que se encontra a via pública, principalmente, no trecho cortado pelo Rio Bocaina, também conhecido como Rio da Usina Indiana.

Em dias de chuva quando o volume de água aumenta, a passagem que é feita pelo leito do rio se torna muito complicada e os produtores rurais e motoristas que necessitam usar a estrada acabam ficando “ilhados” esperando o volume das águas abaixar.

Segundo reclamação de moradores que procuraram o jornal Acontece Botucatu, com fotos tiradas no final da tarde do último domingo, já houve pessoas que tiveram seus veículos e motos danificados e a idéia é elaborar um abaixo assinado para que a ponte seja construída.

“Pelas fotos dá pra se ter uma ideia de como a situação é complicada. O problema é que se houver a necessidade de um morador precisar de socorro médico e de uma ambulância em dias de chuva, ele terá problemas”, explicou Marcos Franco. “Em caso de urgência uma ambulância, por exemplo, teria que fazer um retorno de, aproximadamente, 30 quilômetros, sendo que aquele ponto onde passa o rio fica a menos de 05 quilômetros do centro da Cidade”, acrescentou.

{n}Manutenção{/n}

O Secretario de Planejamento da Prefeitura Municipal, Caco Colenci adianta que a manutenção da estrada de Piapara, assim como a construção da ponte sobre o rio faz parte do cronograma de obras a serem feitas naquela região rural do Município e aguarda liberação do dinheiro do governo do Estado.

“O prefeito João Cury está hoje (terça-feira) em São Paulo se reunindo com o diretor do Departamento de Estrada de Rodagem (DER), Clodoaldo Pelissioni, tratando de diversos assuntos e entre eles está a estrada do Piapara. É de interesse do prefeito solucionar este problema que se arrasta há vários anos”, frisa Colenci.

Segundo ele, embora o ribeirão tenha pouco mais de três metros de largura, é necessário fazer no local uma ponte de, aproximadamente, 20 metros de extensão para não interferir no curso natural do rio. “Quando chove o leito do rio transborda e atinge parte da estrada dificultando o tráfego e a gente tem que prever isso no projeto”, observou Colenci. “Estamos trabalhando para solucionar esse problema que é uma reivindicação antiga das pessoas que se utilizam daquela estrada”, comentou o secretário de Obras.