Choveu no carnaval o esperado para 15 dias em Botucatu

Na tarde desta quarta-feira (18), a Defesa Civil de Botucatu fez um balanço dos atendimentos realizados no período de Carnaval, em razão das chuvas que caíram de forma contínua na Cidade. Entre domingo e quarta-feira foram registradas 22 ocorrências, nenhuma delas com vítimas.

O coordenador da Defesa Civil, Paulo Renato da Silva, afirma que apesar do volume de chuva bastante significativo os estragos foram amenizados pelo trabalho preventivo constante e a execução de obras para melhoria do escoamento das águas pluviais promovida pela Prefeitura.

“É preciso levar em consideração tudo que foi feito pela Secretaria de Obras, principalmente a execução de galerias especialmente em locais onde o índice de ocorrências era grande. Nessa época de chuvas é que se vê o resultado positivo desse trabalho, que inclui limpeza, desassoreamento e recomposição de margens de córregos e rios. A Defesa Civil fez um levantamento dos locais com registros de alagamento e inundação, onde as pessoas sofriam com perdas de móveis e outros pertences. Isso agora foi amenizado de forma significativa”, analisa Silva.

Em locais considerados prioritários por conta do alto risco de ocorrências como a região do Terminal Rodoviário, Rubião Júnior e Lavapés não houve nenhum episódio de alagamento ou inundação. No distrito de Rubião Júnior foi registrado o caso mais grave, com o rompimento de parte do sistema de galerias na Rua Antonio Carlos dos Santos. Como parte do asfalto ruiu, a rua teve que ser interditada parcialmente, sendo permitida apenas a circulação de pedestres.

Na Rua Antonio Carlos dos Santos, no centro do distrito, foi feito todo um trabalho de limpeza do córrego já que no local sete famílias sofriam com alagamentos frequentes. Isso foi evitado desta vez. Mas a chuva foi tão intensa que rompeu parte do sistema de galerias de águas pluviais, fazendo com que parte do asfalto ruísse e leva-se à interdição da rua.

Nesse caso específico, o coordenador da Defesa Civil faz um alerta. “Foi encontrado muito lixo dentro da galeria, inclusive um tambor que obstruiu parte da tubulação. Isso deve ter causado o problema. Equipes da Secretaria de Obras já trabalham na recuperação dos tubos e posterior recomposição do pavimento”.

Com apoio da Guarda Civil Municipal, Corpo de Bombeiros e da Secretaria de Obras, a Defesa Civil atendeu também casos de infiltração de água em residências em vários bairros, queda de parte do telhado de um barracão abandonado no Residencial 24 de Maio, deslizamentos de terra na rodovia Gastão Dal Farra e no acesso à Rodovia Domingos Sartori, além de queda de árvores na Rodovia Alcides Soares. Na área rural, o grande volume de água interditou parcialmente o tráfego de veículos na região de César Neto.

Em apenas 48 horas foram registrados mais de 90 milímetros de chuva na cidade. Esse índice pluviométrico era esperado para 15 dias. E a previsão é de mais chuva para os próximos dias. “Felizmente não houve registro de desabrigados, desalojados, nem vítimas. Como a chuva deve continuar, aumenta nossa preocupação. Com o solo encharcado, mesmo uma chuva menor pode trazer consequências mais sérias. Vamos continuar monitorando as áreas mais críticas e orientamos as pessoas a não colocarem lixo na rua, manterem limpo o sistema de calhas, e não jogar água de chuva na rede de esgoto”, conclui Silva.