Teste de Covid-19 na saliva, desenvolvido por pesquisadores de Botucatu, vira inovação social

AUIN registra técnica para identificação da presença do SARS-CoV-2 em prol da sociedade

A Agência Unesp de Inovação (Auin) reconheceu como “inovação social” de seis unespianos o desenvolvimento da técnica de rastreamento epidemiológico-molecular por pool de saliva para identificação da presença do SARS-CoV-2, vírus causador da Covid-19. Esta técnica ajuda a identificar pacientes, funcionários, docentes, pesquisadores ou qualquer indivíduo assintomático e, se aplicada de forma periódica, tem potencial para agilizar o retorno seguro às atividades presenciais. O reconhecimento como inovação social deixa a técnica à disposição da sociedade.

Desenvolvida em uma parceria de duas unidades universitárias da Unesp, a Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA) e a Faculdade de Medicina (FMB), com o Hospital das Clínicas de Botucatu (HC-FMB-Unesp), sob gestão da Secretaria de Estado da Saúde, a inovação social consiste em um método epidemiológico-molecular de triagem periódico de profissionais de saúde, pacientes internados em hospital por razão não associada à COVID-19, profissionais de universidades e outros serviços públicos ou privados para identificação do SARS-CoV-2 em saliva.

O protocolo, que também já foi regulamentado pela Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital das Clínicas de Botucatu, começou a ser testado em julho passado em estudantes de Medicina em período de internato no HC-FMB-Unesp. Depois, a técnica passou a ser utilizada em profissionais de saúde e outros colaboradores do hospital e foi aplicada também em algumas Unidades da Unesp, como nos hospitais veterinários da Universidade em Jaboticabal e em Botucatu e no prédio da Reitoria, localizado em São Paulo, para dar mais controle e segurança à rotina de atividades presenciais nesses ambientes.

Os seis unespianos que se tornaram os “pais” desta inovação social são os professores Rejane Maria Tommasini Grotto (FCA), Alexandre Naime Barbosa (FMB) e Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza (FMB), além dos pesquisadores Lucas Gabriel Ribeiro, Cristiane Nonato da Silva e Raphael Pereira Cassamassimo.

Na Unesp, desde julho, já foram realizados cerca de 10 mil testes por meio da técnica de rastreamento epidemiológico-molecular por pool de saliva e todos os casos positivos foram confirmados pelo teste molecular RT-qPCR. Ou seja, houve 100% de concordância nos resultados. Outras instituições, tanto no setor público quanto na iniciativa privada, já manifestaram aos cientistas da Unesp o interesse em utilizar a inovação social.

“O registro como inovação social é uma garantia da transferência de uma tecnologia criada pela Unesp em benefício da sociedade. Ou seja, o protocolo desenvolvido dentro da academia vai ficar disponível para as instituições que desejarem”, afirma o professor Guilherme Wolff Bueno, assessor da Agência Unesp de Inovação. “É extremamente relevante transformar a ciência em inovação e essa inovação chegar à sociedade, ainda mais em um momento de pandemia como o que vivemos”, diz o docente.

Aplicação no SUS

No certificado de Inovação Social emitido pela Auin, destaca-se a possibilidade de aplicação da técnica nos serviços de saúde de forma geral, em especial nas unidades que compõem o Sistema Único de Saúde (SUS), como “intervenção epidemiológica-laboratorial”, de maneira a possibilitar uma “abordagem multimodal (ou seja, em diversos aspectos) do controle de infecção e da saúde ocupacional em um complexo ligado a hospitais, universidades e outros serviços que o necessitem”. O modelo proposto, assim descreve o certificado, “configura níveis de atenção à saúde para controle de transmissibilidade do SARS-CoV-2.”

Por meio da técnica padronizada no Laboratório de Biologia Molecular do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HC-FMB-Unesp), sob responsabilidade da professora Rejane Grotto, a saliva da cavidade oral é coletada e utilizada como fonte para constituição do pool de até 15 pessoas, em periodicidade variável conforme o risco ocupacional. Cada pool de saliva é processado para detecção do SARS-CoV-2 e, em casos de pools positivos, os testes são repetidos em alíquotas individuais e o(s) sujeito(s) positivo(s) é encaminhado ao epidemiologista responsável para realização do diagnóstico oficial e isolamento imediato. A conduta das pessoas contactantes do sujeito detectado com o novo coronavírus também é acompanhada pela equipe de epidemiologia.

Dessa forma, os pesquisadores relatam que a aplicação da inovação só se torna possível com uma equipe multidisciplinar trabalhando de forma integrada: o laboratório que executa o teste, o epidemiologista especialista em moléstias infecciosas que conduz os casos detectados e os contactantes e uma equipe técnica de saúde (ou médico do trabalho, no caso da iniciativa privada) que, por meio de entrevistas, faz a avaliação pós-detecção.