Reconstrução Mamária foi tema de curso internacional realizado em Botucatu

Cirurgia mamária com técnica de oncoplastia realizada no Centro Cirúrgico do HCFMB – 4toques comunicação

Nos dias 18 e 19 de outubro, no Hospital Estadual Botucatu (HEBo) e Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB), foi realizado o Curso Internacional de Reconstrução Mamária: Estado da Arte dos Testes Genéticos na Prevenção e Tratamento do Câncer de Mama. A capacitação foi destinada aos profissionais da área da Mastologia de toda a região.

O curso foi coordenado pelo Dr. Eduardo Carvalho Pessoa, médico do Centro de Avaliação de Mastologia e responsável pelos setores de Reconstrução Mamária e Diagnóstico por Imagem de Mama. O mastologista abriu o evento pela manhã e, em seguida, ocorreram no Centro Cirúrgico do HCFMB quatro cirurgias mamárias com técnicas de oncoplastia.

Os procedimentos foram coordenados pelos professores Vilmar Marques Oliveira (Santa Casa de São Paulo); Eduardo Gonzales (Argentina); Fabrício Brenelli (Unicamp); Fábio Bagnoli (Santa Casa São Paulo); José Francisco Rinaldi (Santa Casa de São Paulo).

Segundo Dr. Eduardo, atualmente os médicos utilizam técnicas da cirurgia plástica para fazer reconstrução mamária. “Mulheres com câncer de mama não são mais tratadas com cirurgias radicais, onde o médico retira todo o tumor. Essas pacientes têm a mama preservada e, em alguns casos, com um resultado estético melhor do que elas entraram”, comenta.

No período da tarde, aconteceram as aulas teóricas com os seguintes temas: “Adenectomia: técnicas e dicas. Como escolher a prótese? (Dr. Fábio Bagnoli – Santa Casa – São Paulo); “Reconstrução imediata em pacientes candidatas a mastectomia e radioterapia: qual melhor estratégia (Dr. Eduardo Gonzales – presidente da Federação Argentina de Mastologia); “Tratamento cirúrgico da recidiva local pós-cirurgia conservadora e radioterapia ( Dr. Vilmar Marques Oliveira – Santa Casa – São Paulo) e “Estado da arte da lipoenxertia” (Dr. Fabrício Brenelli – Unicamp – São Paulo).

Após as explanações, ocorreu a discussão entre os mastologistas presentes a respeito de suas técnicas cirúrgicas.

No segundo dia, a primeira palestra foi ministrada pelo especialista Fabrício Brenelli, da Unicamp. O assunto abordado foi “Quando e por que pedir o MAMAPRINT para definir o tratamento no câncer de mama?”.

Dr. Eduardo Gonzales, da Argentina, recebendo a placa de agradecimento da coordenação do evento – 4toques comunicação

Dr. André Mattar, do Hospital Pérola Byington, falou sobre um exame chamado ONCOTYPE. Ao final dessas duas apresentações teve uma discussão sobre os assuntos, onde os participantes puderam fazer perguntas para os palestrantes.

Dr. Joaquim de Araújo, do IBCC/UNIFESP – São Paulo falou sobre o tema “Quais são as principais síndromes genéticas relacionadas com aumento de risco de câncer de mama?”, destacando quais fatores devem ser analisados para determinar que a paciente tem câncer de mama hereditário.

A última apresentação do dia teve como assunto “Testes genéticos para avaliar a presença de mutações que aumentam o risco do câncer de mama: quando solicitar e qual painel solicitar? Como avaliar a qualidade? O que fazer com o resultado? “, discutido pela Dra. Lorena Teixeira, da USP de Ribeirão Preto.