Nova cirurgia para reverter impotência tem resultados promissores

Professor Fausto Viterbo apresentando resultados do estudo na 37ª Jornada Carioca de Cirurgia Plástica

Uma nova técnica cirúrgica desenvolvida por professores da Faculdade de Medicina de Botucatu-Unesp (FMB) tem sido premiada em diferentes eventos científicos. A mais recente láurea foi obtida na 37ª Jornada Carioca de Cirurgia Plástica realizada no mês de agosto no Rio de Janeiro.

Os docentes que desenvolveram a técnica são: José Carlos Souza Trindade, urologista e coordenador do “Projeto de Reinervação Peniana”; Fausto Viterbo, da disciplina de cirurgia plástica e especialista em microcirurgia de nervos periféricos; José Carlos Souza Trindade Filho, do Departamento de Urologia da FMB; André Petean Trindade, do Departamento de Radiologia, e Wagner Fávaro, do Departamento de Anatomia do Instituto de Biociências da Unesp, atualmente na Unicamp.
 
O procedimento
A cirurgia é realizada em homens submetidos a tratamento para corrigir os casos de disfunção erétil, que podem causar impotência sexual em cerca de 20 a 50 %, resultantes da prostatectomia radical (a retirada da próstata) em casos de câncer.
A técnica faz uma nova ligação entre o nervo femoral (na raiz da coxa) com os corpos cavernosos e com os nervos dorsais do pênis, mediante enxertos de nervos surais, retirados de ambas as pernas.
 
Resultados
 
De acordo com o professor Fausto Viterbo, cerca de 40 homens já foram operados pela equipe e os resultados têm sido promissores. Os dados apontam que 60% dos pacientes tiveram melhora completa, com retomada da ereção e penetração, em média, 13 meses após a cirurgia. Os outros 40% vem apresentando sinais progressivos de recuperação.
A vida de Antônio Carlos Bartolli, 64 anos, de Botucatu, mudou completamente em 2009 quando ele descobriu que estava com câncer de próstata. Ele foi submetido a cirurgia para retirada do órgão e, em 2011, realizou o novo procedimento desenvolvido pelos pesquisadores da FMB. Bartolli explica que se sentiu rejuvenescido após ter feito a cirurgia com a nova técnica. “A autoestima subiu muito porque você se torna uma pessoa nova”, frisou.
Casado e pai de três filhos, Bartolli precisou de um ano após a cirurgia para retomar à vida sexual. Ele ressalta que o papel da equipe médica foi fundamental no processo de recuperação. “Sou muito grato a tudo isso, tenho um grande reconhecimento por tudo o que aconteceu”, finaliza.
 
Futuro
O trabalho foi publicado em junho de 2017 num reconhecido periódico científico da área, o British Journal of Urology International. A ideia do grupo de pesquisadores a partir de agora é recrutar voluntários que tenham disfunção erétil em virtude da idade, vítimas de fratura da bacia e outras causas geradoras da impotência.
Para saber mais ligue para (14) 3880-15-47ou envie um e-mail para [email protected]