HC de Botucatu diz em nota que vacinas são insuficientes para todos os profissionais

Lote de vacinas chegou na última segunda-feira, 18, em Botucatu

O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu se posicionou nesta sexta-feira, dia 22, sobre seu cronograma de vacinação. O assunto se tornou polêmica durante a semana com diversas reclamações de funcionários e até mesmo denúncias sobre profissionais que teriam furado fila.

Na última segunda, 18, o HCFMB recebeu 4.400 unidades da vacina para a aplicação da primeira dose (D1) e segunda dose (D2), o que atende, portanto, apenas 2.200 colaboradores neste momento. Este número é insuficiente para atingir todos os envolvidos com atividades no complexo HC, que conta com número aproximado de mais de 5 mil pessoas.

A partir disso, a Comissão de Avaliação e Indicação para o uso da vacina contra a COVID –19 definiu alguns critérios para o início do processo de vacinação. Dentre eles, o local em que o funcionário atua, sendo priorizadas inicialmente as UTIS e o Pronto-Socorro Referenciado (PSR).

“Após o primeiro dia do início do plano de vacinação, a Comissão revisou criteriosamente a estratégia inicial e, em parceria com a Diretoria de Assistência do Hospital, decidiu divulgar uma lista com cerca de mil nomes, elaborada pela própria Diretoria de Assistência, para dar continuidade da vacinação”, diz trecho da nota.

As listas de funcionários do Complexo HCFMB convocados para vacinação divulgadas nesta semana, segundo a Autarquia, levaram em consideração o tempo e a frequência com que o funcionário atua na assistência de pacientes com diagnósticos confirmados ou suspeitos COVID – 19, fatores determinantes que configuram o profissional como linha de frente do combate à pandemia.

“Enviadas diariamente deste a última terça-feira, 19, via comunicado interno com nome e setor onde o servidor atua, estas listas são públicas, para que todos os profissionais saibam quem está sendo vacinado, conforme a ordem prioritária estabelecida pelo HCFMB”, coloca o Hospital.

Até esta sexta-feira, 22, os funcionários das unidades prioritárias no tratamento da COVID-19 já foram convocados para a vacinação. As demais áreas da assistência seguem no plano de vacinação, afirma o HCFMB.

Um outro ponto que causou polêmica, foi a vacinação de um médico do HCFMB. O fato causou indignação pelas redes sociais e de funcionários.

O Hospital comentou que o profissional atua na UTI, mas estava afastado por problemas de saúde. A superintendência confirmou, no entanto, que o servidor recebeu o imunizante.

“Em relação ao caso do médico Ubirajara Aparecido Teixeira, 71 anos, esclarecemos que o profissional atua na UTI do HCFMB, estando afastado por problemas de saúde. Como seu nome constava na lista do setor, recebeu a vacina no primeiro dia. Eventuais denúncias sobre um possível fura-fila no processo de vacinação serão apuradas criteriosamente e, caso comprovadas, as medidas cabíveis serão tomadas pelo HCFMB”, conclui nota do HCFMB.