Evento marca os 10 anos da Trombólise no AVC destacando a abordagem multiprofissional realizada no HCFMB

Em comemoração aos 10 anos da Trombólise no AVC, sob o ponto de vista de uma abordagem multiprofissional realizada no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB), foi realizado o ciclo de palestras e mesas-redondas intitulado “10 anos de Trombólise no AVC – Abordagem Multiprofissional”.  O evento aconteceu no Salão Nobre do HCFMB, durante os dias 31 de agosto e 1º de setembro.

Na ocasião estiveram presentes médicos, enfermeiros, assistentes sociais, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, nutricionistas, psicólogos, residentes, aprimorandos, alunos de Graduação e técnicos, além de outros profissionais da área da saúde.

A primeira atividade da programação foi o Simulado Angel, destinado exclusivamente a profissionais que atuam na Unidade de AVC do Hospital. Médicos residentes da equipe se dividiram e, um grupo por vez, atenderam a uma paciente fictícia com sintomas de AVC. A intenção era aprimorar os procedimentos, inclusive, com a análise de exames de imagem.

A cerimônia de abertura contou com a entrega da maleta de transporte intra-hospitalar (equipada com medicamentos e materiais para atender a parada cardiorrespiratória) aos representantes da unidade de AVC do HCFMB. O superintendente do Hospital, Dr. André Balbi; Dr. Rodrigo Bazan, coordenador do Serviço no HCFMB e o Dr. Gabriel Módolo, médico neurologista da unidade, receberam o certificado e os equipamentos das mãos dos especialistas Dra. Sheila Martins – Fundadora da Rede Brasil AVC e representante do Brasil no comitê diretor da World Stroke Organization; e Dr. Octávio Pontes Neto, chefe do serviço de Neurologia Vascular e Emergências Neurológicas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto.

A primeira palestra, ministrada pela médica neurologista Dra. Sheila Martins, fez um panorama geral de dados sobre a implantação de unidades de Centro de AVC no Brasil. “Em 2008, eram apenas 35 centros de AVC no país, e já em 2012 ,este número subiu para 90. Com esse aumento das unidades, o aprimoramento do atendimento aos pacientes foi notável, como a presença de uma equipe multiprofissional nesses centros de AVC”, explica Sheila.

Dr. Octávio Pontes Neto, chefe do serviço de Neurologia Vascular e Emergências Neurológicas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (HCFMRJ), afirmou que os cuidados com o AVC representam um cenário desafiador. “Por 30 anos, o AVC foi a doença que mais matou no Brasil. Apesar disso, muitos lutam para a melhora de atendimento destes casos. Se o paciente receber o cuidado correto, o protocolo implantado funcionará”, comenta.

Já Dr. Gabriel Módolo, médico neurologista no HCFMB, apresentou a Unidade de AVC do HCFMB. “Em 2008, tivemos a primeira paciente trombolisada na nossa unidade. Em 2014, passamos a contar com 10 leitos e com uma equipe multiprofissional”, lembra.

Na ocasião, integrantes de uma família deram um depoimento sobre o atendimento que um deles recebeu na Unidade de AVC do HCFMB. Eles fizeram uma apresentação musical, e um dos cantores foi o próprio paciente que recebeu o tratamento após um AVC e se recuperou com poucas sequelas.

A última palestra da sexta-feira foi ministrada pelo Dr. Wagner Mauad Avelar, médico do ambulatório de neurologia vascular do Hospital das Clínicas da Unicamp. Segundo Avelar, a melhor maneira de evitar o AVC são as medidas profiláticas. “ O AVC pode afetar qualquer um, em qualquer momento e apesar de muitas pessoas sobreviverem, as sequelas são muito tristes. Uma pesquisa realizada com idosos que tiveram a doença, constatou que 50% dos entrevistados disseram que preferiam ter morrido a levarem a vida que levam atualmente. Por isso, a importância da prevenção e da implantação dos Centros de AVC para que o atendimento seja o mais rápido possível”, observa.

Segundo dia de evento

Dando sequência à programação do Simpósio sobre os 10 anos de trombólise no AVC, no sábado, 1º, o médico neurologista, Dr. Gabriel Módolo, abordou o contexto histórico desse procedimento, que foi realizado no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu, pela primeira vez, em 2008.

A enfermeira Priscila M. Almeida falou a respeito do “Atendimento Pré-Hospitalar do AVC – SAMU Botucatu”, através do serviço 192.

A mesa redonda “Atendimento/Assistência de enfermagem ao paciente no AVC”, moderada pela enfermeira Drª. Maria Justina Della Bernardino Felippe, trouxe como discussão os seguintes temas: “Atendimento intra-hospitalar no AVC – HCFMB, ministrado pela enfermeira Natália Cristina Ferreira, e “Assistência de enfermagem ao paciente no AVC, apresentado pela enfermeira Dra. Solange Diccini, da Unifesp. Foram abordados os protocolos de atendimento, os procedimentos e as recomendações para tempo de atendimento.

O próximo assunto foi “Abordagem multiprofissional no AVC”, conduzido pelos especialistas Dr. Robson Sarmento Teodoro e Dr. Jonas Bernardes de Lima Filho. Participaram do debate os membros da equipe multiprofissional da Unidade de AVC do HCFMB. Os profissionais contaram um pouco sobre a importância da atuação conjunta em pacientes de AVC, desde o período de sua internação até a alta hospitalar, focando na sua reabilitação às novas condições. E para finalizar, a mesa redonda “Linha de cuidado em urgência e emergência no atendimento ao paciente com AVC”, foi moderada pela Dr. ª Mônica Hamai.  Foram abordados pela Dr. ª Márcia Polin o tema “Atendimento de Emergência e pela Dr. ª Fabíola Leão Soares Yamamoto: “Linha de cuidado ao paciente com AVC”.

4toques comunicação