Especialista de Botucatu participa de um dos maiores congressos de cardiologia da América Latina

Congresso da Socesp, um dos maiores e mais importantes eventos de cardiologia da América Latina e do mundo, será realizado entre 20 e 22 de junho, no Transamérica Expo Center, em São Paulo

BotucatuO cardiologista Daniéliso Renato Fusco, presidente da Regional Botucatu da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp), discutirá a Síndrome Coronária Aguda durante o 40º Congresso da entidade. “O evento é reconhecido como um dos mais importantes na atualização em cardiologia. Permite aos profissionais, seja na área médica ou de outros departamentos, terem acesso a palestrar sobre temas atuais e relevantes, que vão contribuir para a prática profissional diária”, afirma o especialista.

A grande novidade desta edição é a Arena Inovação e Tecnologia, que apresentará cerca de 15 startups da área de saúde com soluções em Digital Health, incluindo aparelhos, aplicativos e novidades em imagem. O congresso conta com mais de 160 atividades para o público médico, 100 atrações para profissionais de outras áreas da saúde e oito palestrantes internacionais para debater e trocar experiências sobre formas de reduzir a mortalidade por doenças cardiovasculares.

O Congresso da Socesp, um dos maiores e mais importantes eventos de cardiologia da América Latina e do mundo, será realizado entre 20 e 22 de junho, no Transamérica Expo Center, em São Paulo. São esperados mais de sete mil profissionais da saúde de todo o Brasil, salienta Dra. Lilia Nigro Maia, presidente do evento, revelando: “A programação científica foi preparada por equipe multidisciplinar, formada por profissionais referenciais em sua área de atuação”.

Para o cardiologista José Francisco Kerr Saraiva, presidente da Socesp, o propósito do encontro anual é contemplar especialistas veteranos e jovens profissionais, dando luz às evidências científicas que podem melhorar a prática clínica. “A discussão das novas tecnologias é essencial para demonstrar novos modelos que facilitem o exercício da cardiologia e reduzam a mortalidade por doenças cardiovasculares em todo o mundo”, afirma.